Blog Página 4

Todos os cartões do Itaú agora funcionam no Google Pay

1

Desde o início da semana, 100% dos cartões do Itaú Unibanco de crédito, débito e seus adicionais podem ser utilizados no Google Pay.

Desde abril de 2018, mais de 2 milhões de cadastros foram efetuados e 25 milhões de transações foram realizadas nessa modalidade, por meio de celulares, relógios e tablets, dispensando o uso do cartão físico.

Segundo o Itaú, o ramo de alimentação está entre os mais relevantes para os usuários das carteiras digitais.

“A novidade complementa a jornada de transformação digital do Itaú, líder em transações com tecnologia NFC (de pagamentos por aproximação) e a instituição financeira com o portfólio (que conta ainda com o PayPal como parceiro) mais completo de carteiras digitais do País”, publicou o banco.

YouTube Fashion centraliza conteúdo de moda e beleza

0

O YouTube apresentou o YouTube.com/Fashion, um minisite com conteúdos de moda e beleza, profissionais do setor, editores e marcas de moda de luxo.

O novo espaço procura promover colaborações entre marcas de moda e criadores e também ajudar os produtores de conteúdo a receber novos profissionais da moda na plataforma.

“Nosso objetivo é tornar o YouTube.com/Fashion um lugar diversificado e inclusivo, repleto das últimas tendências, conteúdo de moda e beleza, e muito mais”, diz Derek Blasberg, diretor do YouTube Fashion and Beauty. 

“Nos próximos meses, trabalharemos para trazer mais vozes internacionais para a página e localizar os mercados globais. Mal podemos esperar para você explorar nossa nova oferta, inspirar-se em todo o excelente conteúdo e compartilhar seus favoritos com os amigos”.

O hub apresenta conteúdo original dos maiores nomes do setor, além de conteúdo popular. Cada guia está repleta de vídeos de criadores de moda e beleza, profissionais do setor, editores e marcas de moda de luxo.

IFA 2019: Google Assistente mais funcional e integrado

0

O Google marca presença IFA 2019, uma das maiores feiras de produtos eletrônicos e eletrodomésticos , para destacar os parceiros e fabricantes com suporte ao Google Assistente, como caixas de som inteligente, smartphones, fones de ouvido, TVs e outros.

Confira as novidades divulgadas pelo Google:

Modo Ambiente no celular

Uma das primeiras novidades apresentadas é o Modo Ambiente. Quando o celular estiver carregando, essa função permitirá que o usuário visualize notificações e lembretes, inicie uma lista de reprodução e controle aparelho da casa conectada a partir da tela bloqueada.

Quando o telefone não estiver sendo usado, a tela se transforma num porta-retratos digital conectado ao Google Fotos do usuário, dando um toque personalizado.

O Modo Ambiente estará disponível no Lenovo™ Smart Tab M8 HD, que será lançado em breve (ele vai funcionar quando o aparelho estiver encaixado no carregador inteligente), e também no Lenovo Yoga™ Smart Tab (quando o dispositivo estiver inclinado na vertical sobre o apoio de tela) – bem como nos novos Nokia 6.2 e 7.2, quando estiverem carregando.

Faça chamadas de áudio e vídeo no WhatsApp Android

leitura e o envio de mensagens sem utilizar as mãos já é um dos serviços do Google Assistente mais conhecidos pelos usuários.

A partir de agora, também será possível fazer chamadas de áudio e vídeo em viva-voz com o Assistente através do aplicativo WhatsApp Android. No momento, a novidade está disponível apenas em inglês. 

Novos dispositivos com Google Assistente

Durante a IFA, também serão lançados uma série de dispositivos com Google Assistente para o mercado Europeu. Informações sobre disponibilidade no Brasil serão providas pelo fabricante. Confira abaixo os lançamentos:

Novos fones de ouvido equipados com Google Assistente também estão chegando ao mercado, incluindo o JBL LIVE300 TWS, Harman Kardon FLY ANC, Bose NC700, Cleer Flow II e Halo, Phillips PN505 e PH805 e Sony WI-1000XM2 e WH-H910N.

Ao conectá-los ao smartphone, o Assistente pode ser ativado instantaneamente, com apenas um toque no botão do fone de ouvido, permitindo pular para a próxima faixa da playlist, escutar e responder a mensagens ou criar lembretes usando a voz.

Há alguns meses, o Google introduziu, pela primeira vez, o Assistente a caixas de som inteligentes da Sonos Bose. Esse serviço já está disponível nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Canadá, França, Austrália e Holanda – e, até o fim do ano,  outros países serão incluídos nesta lista.

E mais uma novidade: o Assistente vai ajudar o usuário em qualquer cômodo da casa e até no quintal, graças à novas caixas de som inteligente com bateria como Sonos Move, Bose Portable Home Speaker e JBL Link Portable.

O Google Assistente também chega à diversas caixas de som inteligente e aparelho de som “soundbars” ativados por voz, incluindo JBL Link Music, Phillips AW25 e TAPN805(aparelho de som “soundbar”), Konka G1, SEIKI Tough (aparelho de som “soundbar”), Konka G1, SEIKI Tough e Cigar, Braun Audio LE01, LE02 e LE03. 

O Assistente também estará disponível em mais modelos de Android TV fabricados pelas principais marcas, como Hisense, Sony, TCL, Philips, Changhong, Haier, Skyworth, Metz, Vestel, Sharp, JVC , XGIMI Projector, HKC e Expressluck.  

Google torna open source sua biblioteca de privacidade diferencial

0

Para facilitar o uso da biblioteca de privacidade diferencial pelos desenvolvedores, principalmente em relação aos recursos que podem ser particularmente difíceis de executar do zero, como calcular automaticamente os limites das contribuições dos usuários, o Google disponibilizou sua biblioteca gratuitamente para qualquer organização ou desenvolvedor que queira usá-la.

“Se você é um pesquisador de saúde, pode comparar o tempo médio em que os pacientes permanecem internados em vários hospitais para determinar se há diferenças nos cuidados”, diz a empresa.

“Nossa biblioteca de código aberto foi projetada para atender às necessidades dos desenvolvedores. Além de ser acessível gratuitamente, queríamos que ela fosse fácil de implantar e útil”.

“Usamos privacidade diferencial para criar recursos úteis para nossos produtos, como saber o quão cheia está uma empresa ao longo do dia ou a popularidade de um prato em um restaurante no Google Maps e melhorar o Google Fi“.

A privacidade diferencial é um meio analítico de alta confiança para garantir que casos como esse sejam tratados de maneira a preservar a privacidade.

Aqui estão alguns dos principais recursos da biblioteca:

  • Funções estatísticas: As operações mais comuns de data science são suportadas por esta versão. Os desenvolvedores podem calcular contagens, somas, médias, medianas e porcentagens usando a nossa biblioteca..
  • Testes rigorosos: A privacidade diferencial é uma tecnologia conhecida por ser difícil de realizar da maneira correta. Além de incluir um amplo conjunto de testes, oferecemos também uma biblioteca “Stochastic Differential Privacy Model Checker”, capaz de ser ampliada.
  • Pronta para usar: a verdadeira utilidade da biblioteca fica evidente diante da pergunta: “será que eu posso usá-la?” E a resposta é “sim!”. Incluímos uma extensão PostgreSQL e também receitas comuns para quem está começando a adotar a ferramenta. 
  • Modular: A biblioteca foi projetada para que ela possa ser ampliada para incluir outras funcionalidades, como mecanismos adicionais, funções de agregação ou gerenciamento de orçamento de privacidade.

YouTube explica como conteúdo nocivo é removido da plataforma

0

Para permitir que a plataforma do YouTube continue aberta a todos, a gigante de Mountain View mantém um esforço contínuo de limpeza contra vídeos que tenham conteúdos nocivos e os remove assim que são detectados.

“O conteúdo prejudicial é removido desde o início do YouTube, mas o investimento vem acelerando nos últimos anos. Graças a esse trabalho contínuo, nos últimos 18 meses, as visitas a vídeos que foram posteriormente eliminados por violar as políticas da plataforma foram reduzidas em 80%”, diz a empresa.

YouTube diz já ter removido mais de 100 mil vídeos com discurso de ódio, encerrado 17 mil canais e 500 milhões de comentários.

Desenvolvimento de políticas para uma plataforma global

Antes de remover qualquer conteúdo que viole as políticas do YouTube, o Google explica que é preciso garantir que a linha que separa o que é removido do que é permitido esteja no lugar certo, com o objetivo de preservar a liberdade de expressão e a comunidade. 

  • Desde 2018, introduzimos dezenas de atualizações em nossos padrões: muitos deles são pequenos esclarecimentos, mas outros são mais profundos.
  • Nossa atualização sobre discurso de ódio representou uma mudança fundamental em nossas políticas. Passamos vários meses desenvolvendo essa política e trabalhando com nossas equipes para criar as ferramentas e estabelecer o treinamento necessário para garantir a conformidade.
  • Em abril de 2019, também anunciamos que estamos trabalhando para atualizar nossa política de assédio, incluindo o assédio entre criadores. Compartilharemos nosso progresso nessa questão nos próximos meses.

Uso da tecnologia para detectar conteúdo nocivo

  • Em 2017, aumentamos o uso de nossa tecnologia de aprendizado de máquina para ajudar a detectar conteúdo que potencialmente viola nossas políticas e enviá-las para análise por uma equipe humana. 
  • Mais de 87% dos 9 milhões de vídeos excluídos no segundo trimestre de 2019 foram detectados pela primeira vez por nossos sistemas automáticos.
  • Estamos investindo significativamente em nossos sistemas de detecção automática, e nossas equipes de engenheiros continuam atualizando e aprimorando-os mês a mês. Por exemplo, uma atualização em nosso sistema de detecção de spam no segundo trimestre de 2019 levou a um aumento de 50% nos canais excluídos por violar nossas políticas de spam.

Remova o conteúdo antes que ele se torne popular

  • As melhorias em nossos sistemas automáticos nos ajudaram a detectar e revisar o conteúdo antes de serem relatados pela nossa comunidade, o que permitiu que, no segundo trimestre de 2019, mais de 80% dos vídeos relatados fossem excluídos automaticamente antes de terem uma única visualização.
  • Estamos determinados a continuar reduzindo a exposição a vídeos que violam nossas políticas. É por isso que, no Google, temos mais de 10.000 pessoas encarregadas de detectar, revisar e excluir conteúdo que viola nossas regras. 

Google anuncia inscrições de programa imersivo para startups fora de SP

0

Estão abertas as inscrições para o terceiro programa Immersion, do Google for Startups, voltado para startups em crescimento de fora do estado do São Paulo. Serão nove semanas de atividades com dois encontros presenciais, de uma semana cada, na sede do Google for Startups, em São Paulo, na região da Avenida Paulista. 

A primeira edição do programa foi em 2016 para startups B2B de diversos estados do Brasil. A segunda, no ano seguinte, foi voltada para fintechs de outros países da América Latina.

Nesta edição, o foco do programa será em três áreas de expertise do Google: desenvolvimento de produto priorizando o usuário, gestão & cultura e aquisição de clientes. As startups e o Google trabalharão juntos em pelo menos um desafio prioritário de um desses temas, por meio de workshops, conteúdos estruturados e mentorias personalizadas.

Confira abaixo os critérios de seleção:

· Sede fora do estado de São Paulo;

· Estágio de crescimento com tração comprovada no seu mercado (usuários, receita e/ou investimento);

· Estágio de investimento: Seed ou Série A;

· Time de fundadores(as) experientes e comprometidos(as) com o crescimento do negócio;

· Contar com a participação de pelo menos um(a) dos(as) fundadores(as) ou C-level(s) da startup durante os dois encontros presenciais em São Paulo;

· Os participantes das startups  devem ter nível de inglês avançado;

· Todos(as) os(as) fundadores(as) precisam ser maiores de 18 anos.

Acompanhe o calendário do Immersion:

· Inscrições: de 27 de agosto a 15 de setembro

· Resultado da seleção: 2 de outubro

· Pre-work (remoto): 2 a 9 de outubro

· Encontro presencial I: 14 a 18 de outubro 

· Trabalho e mentorias: Remoto entre encontros presenciais

· Encontro presencial II: 25 a 29 de novembro 

Para saber mais sobre o programa e realizar a inscrição, basta acessar campus.co/immersion2019/saopaulo.

YouTube libera 1ª temporada de Cobra Kai para não assinantes

0

O YouTube divulgou oficialmente os novos conteúdos originais de sua plataforma de graça, como a nova temporada de Cobra Kai.

Também conta com o lançamento de um documentário sobre Johnny Cash e um especial sobre o 30º aniversário da queda do muro de Berlim.

“A partir de hoje, os fãs sem uma assinatura do YouTube Premium poderão assistir a toda a primeira temporada de “Cobra Kai”. Na quarta-feira, 11 de setembro, a segunda temporada, com um episódio ocorrendo a cada semana”, disse a empresa.

“Cobra Kai” é um sucesso internacional, com o primeiro episódio da 1ª temporada com quase 55 milhões de visualizações e o primeiro episódio da 2ª temporada superando a estréia da 1ª temporada em 136%, tornando-o o mais rápido do YouTube Original a atingir 20 milhões de visualizações em apenas 6 dias.

A produção da terceira temporada começará em breve. A série, produzida pela Sony Pictures Television, 

O YouTube anunciou também a data de estreia de ” The Gift: The Journey of Johnny Cash”, no dia 08 de Outubro, e uma nova lista de cinco séries europeias originais, incluindo “Virtually History”.

Um especial que aborda pessoalmente o 30º aniversário da queda do Muro de Berlim através dos olhos de pessoas com familiares conectados ao momento da história, e as datas de estreia da segunda temporada de “Liza on Demand” (25 de setembro) e “Impulse” (16 de outubro).

YouTube foi criado para ser um site de namoro

0

De acordo com o co-fundador do YouTube, Steve Chen, o YouTube foi criado em 2005 com o objetivo de ser um site de namoro .

Chen contou que o conceito inicial para o YouTube envolvia a inscrição de solteiros, com cada pessoa revelando quem eles eram, suas características e o que eles gostariam em um parceiro.

A interação, então, ocorreria entre os pombinhos aconteceria por meio do sistema de comentários.

“Pensamos que o namoro seria a escolha óbvia”, disse Chen.

O site chegou a oferecer US $ 20 para quem enviasse vídeos em 2005 como forma de impulsionar a plataforma.

“Nós até tínhamos um slogan para isso”, disse o outro co-fundador Jawed Karim. “Sintonize, conecte-se”.

Depois de cinco dias sem nenhum vídeo, os criadores decidiram por abrir a plataforma a qualquer vídeo, não mais restrito a namoro.

“Ok, esqueça o aspecto do namoro”, lembrou Chen. “Vamos abrir para qualquer vídeo”.

Um ano depois, em 2006, eles conseguiram US $ 1,65 bilhão do Google em um das aquisições mais importantes da história.

KeyBank adota Anthos do Google Cloud, para acelerar o processo de inovação

0

Anthos, solução multi-cloud do Google, foi utilizada pelo KeyBank, um dos maiores bancos regionais dos EUA, e mostra como a adoção dessas tecnologias podem alavancar a inovação e a segurança no mercado bancário. 

O KeyBank é o 13º maior banco dos EUA, com cerca de 1.100 caixas automáticos em operação, e 25 mil funcionários. Com  200 anos de mercado, e atuando em uma indústria em constante transformação, como a dos serviços financeiros, o KeyBank estava tendo dificuldades para lançar novos produtos e inovar para atender a demanda de seus clientes, por conta das barreiras para realizar integrações rápidas e eficientes entre os diversos fornecedores que fazem parte da sua infraestrutura tecnológica.

Neste contexto, o KeyBank teve acesso antecipado para experimentar o Anthos, solução que faz parte da Google Cloud Platform (GCP), que foi pensada para resolver exatamente o tipo de desafio que o banco enfrentava, já que permite que a empresa foque na inovação do produto, sem ter que se preocupar com a complexidade de gerenciar aplicativos entre vários ambientes e fornecedores.

“Estamos criando um novo tipo de banco para nossos clientes. O uso da GCP para nossa implantação híbrida será como ter centenas de desenvolvedores do Google trabalhando para criar a melhor plataforma para fornecer serviços bancários modernos a nossos clientes”, conta Keith Silvestri, diretor de tecnologia do KeyBank.

O Anthos permite que uma mesma empresa trabalhe com múltiplas nuvens de companhias diferentes. Por ser baseado no Kubernetes e em tecnologias de código aberto, desenvolvidas pelo Google, o produto traz o foco para a inovação e avança de forma mais rápida, sem comprometer a segurança dos dados dos usuários.

“O Anthos nos fornece a segurança de que precisamos, a portabilidade que desejamos e a produtividade que nossos desenvolvedores querem”, afirma Keith. Com a adoção, a companhia conseguiu aumentar sua quantidade de lançamentos para os usuários, graças a união dessas diversas nuvens separadas.

De acordo com João Bolonha, diretor de Google Cloud Brasil, a utilização de múltiplas nuvens representa uma grande mudança no mercado, o que irá permitir que as empresas se aproximem de uma comunicação integrada entre todos seus sistemas. “Com esse produto, que criamos a partir de padrões abertos, acreditamos que estamos construindo pontes em vez de muros. Alinhados à filosofia de código aberto do Google, que tem o sistema operacional móvel Android como um de nossos principais ativos. Acreditamos que esse passo será fundamental para tornar a nuvem ainda mais útil para empresas de todos os tamanhos”, afirma. O uso das múltiplas nuvens de forma simples e integrada com os sistemas existentes representa uma grande mudança no mercado. “Isso irá permitir que as empresas estejam mais próximas de um mundo no qual possam escrever uma aplicação uma única vez e o mesmo código funcione em qualquer lugar”, complementa.

Carta aberta da CEO de YouTube aos criadores de conteúdo

0

A CEO de YouTube, Susan Wojcicki, compartilhou carta destinada aos criadores de conteúdo sobre a atuação da empresa em reduzir o número de conteúdo ofensivo e reflete sobre a importância de ter uma plataforma aberta para criação e disseminação de conteúdo que permite à educação gratuita de milhões de pessoas em variadas áreas.

Olá criadores de conteúdo e artistas.

Como faço todo trimestre  (em inglês), quero refletir sobre minhas prioridades e sobre como ajudar vocês a ter sucesso no YouTube. Mas mais do que fazer nossa tradicional avaliação de pontos altos e baixos do trimestre, quero aproveitar para falar sobre uma coisa de extrema importância para mim e para o futuro do YouTube: como ter uma plataforma aberta e equilibrar isso com nossa responsabilidade de proteger a comunidade.

O YouTube foi criado sob a premissa de ser uma plataforma aberta. Com base nisso, criadores de conteúdo como vocês estão contribuindo para uma economia criativa próspera. Mas com essa abertura vêm os desafios, e é por isso que também temos nossas regras do jogo e que elas são atualizadas com frequência. A  política de discurso de ódio e a política de assédio (em inglês), que será lançada em breve, são nossas atualizações mais recentes. Em um lugar criado para muitas vozes diferentes, algumas delas poderão ultrapassar os limites. Pessoas mal-intencionadas tentarão explorar plataformas em benefício próprio, mesmo com nosso investimento em sistemas para impedi-las. Quanto mais problemas surgem, mais as autoridades, a imprensa e os especialistas questionam se uma plataforma aberta é algo útil ou até mesmo viável.

Mesmo assim, acredito que manter uma plataforma aberta é mais importante do que nunca.

Em primeiro lugar, essa abertura gera oportunidades. Os criadores de conteúdo de hoje são o que há de mais moderno na mídia. Eles não teriam tido a chance de se inserir em um cenário midiático mais restrito. Criadoras como a fã de robótica Simone Giertz e a vlogger de estilo de vida cega  Molly Burke, ambas com um apelo incomum e ignoradas pela mídia tradicional, estão tendo um enorme sucesso no YouTube ao gerenciar negócios, vender produtos, gerar empregos para outras pessoas e criar valor econômico real nas próprias comunidades. Ou criadoras de conteúdo como Laura Vitale, Sallys Welt e Helen’s Recipes, que transformaram a própria paixão por culinária em trabalho em tempo integral, com canais de sucesso, livros de receitas e muito mais. E elas não são as únicas. Segundo  um estudo da Universidade Ryerson (em inglês), criadores de conteúdo do YouTube geraram 28 mil empregos de período integral apenas no Canadá. Além disso, 20% dos criadores canadenses qualificados estão gerando emprego para outras pessoas. Em todo o mundo, milhares de canais estão ganhando mais de cem mil dólares por ano, um valor que continua subindo 40% ano a ano.

Em segundo lugar, a abertura estimula o apoio na comunidade. Em uma plataforma assim, uma experiência em comum pode unir as pessoas de maneiras surpreendentes. Por exemplo, a neozelandesa Ryleigh Hawkins criou o canal Tourettes Teen para gerar conscientização sobre como é viver com a síndrome de Tourette. Os vídeos informativos, alegres e bem-humorados conquistaram fãs em todo o mundo e permitiram que outras pessoas nessa condição, que pode levar ao isolamento, soubessem que não estão sozinhas. Adolescentes estão compartilhando vídeos em que mostram que  não foram aceitos na universidade (em inglês). Isso serve para lembrar que esse momento doloroso pode acontecer com todos e que é possível dar a volta por cima.

E, por último, a abertura leva ao aprendizado. Como filha de professor universitário e aluna durante toda a vida, ver Edutubers como  Origin of Everything, Manual do Mundo e Eddie Woo transformarem o YouTube na maior sala de aula do mundo me inspirou profundamente. Sempre que conheço alguém novo e pergunto sobre o YouTube, ouço uma história sobre algo aprendido no site: como o YouTube ajudou um estudante a ir bem na tarefa de matemática, uma mãe a consertar o portão da garagem ou um funcionário a aprender uma nova habilidade profissional.

Quero deixar claro que nada disso aconteceria sem abertura. Caso contrário, outra pessoa decidiria quem pode compartilhar a própria história, e as vozes ouvidas na plataforma seriam semelhantes a outras que já têm destaque. Aquela microempresa que surgiu porque alguém compartilha a própria paixão pela fabricação de sabonetes nunca decolaria. O adolescente que sofre bullying não encontraria uma comunidade com pessoas parecidas com ele e que mostre que vai ficar tudo bem. E aquela pessoa curiosa e fanática por astrofísica  que busca alguns vídeos sobre o tema provavelmente não encontraria nada.

O compromisso com a abertura não é fácil. Às vezes, significa manter conteúdo pouco comum, polêmico ou até ofensivo. Mas acredito que ter uma ampla variedade de perspectivas acaba nos tornando uma sociedade mais forte e mais informada, mesmo que discordemos completamente de algumas dessas visões. Boa parte do nosso trabalho em proteger essa transparência não está apenas nas diretrizes que proporcionam diversidade de expressão, mas nas ações que estamos tomando para garantir uma comunidade responsável. Já disse muitas vezes  (em inglês) neste ano que esta é minha prioridade número um. Uma abordagem responsável no gerenciamento do que está na plataforma protege nossos usuários e criadores de conteúdo como vocês. Isso também significa que podemos continuar a promover todas as coisas boas que vêm de uma plataforma aberta.

O conteúdo problemático representa menos de um por cento do conteúdo do YouTube. Mas essa quantidade muito pequena tem um impacto extremamente grande, tanto no dano potencial para nossos usuários quanto na perda de confiança no modelo aberto que permitiu o surgimento dessa comunidade criativa. Existe uma teoria que diz que hesitamos em tomar medidas com relação ao conteúdo problemático porque ele nos daria benefícios comerciais. Isso é completamente falso. Na realidade, em longo prazo, o custo de não tomar as medidas necessárias é a perda da confiança dos usuários, anunciantes e de vocês, nossos criadores de conteúdo. Queremos merecer essa confiança.

É por isso que, nos últimos anos, investimos significativamente nas equipes e nos sistemas que protegem o YouTube. Nossa abordagem em relação à responsabilidade envolve quatro “Rs”:

  • Nós REMOVEMOS conteúdo que viola nossas políticas o mais rápido possível. E estamos sempre buscando tornar nossas políticas mais claras e efetivas, como no caso de pegadinhas e desafios, segurança infantil e discurso de ódio (em inglês) apenas neste ano. Fico feliz que vocês nos informam quando nossas políticas não estão funcionando para a comunidade de criadores. Recebemos o feedback claro de que o assédio entre criadores é um ponto que precisa de atenção. Eu disse na minha carta anterior (em inglês) que analisaríamos a questão. Teremos novidades nos próximos meses.
  • Nós RECOMENDAMOS vozes confiáveis quando as pessoas buscam notícias e informações, especialmente quando se trata das últimas notícias.
  • Nós REDUZIMOS a disseminação de conteúdo que está no limite da conformidade com nossas políticas. Nos EUA, onde já  fizemos mudanças (em inglês) nas recomendações no começo deste ano, observamos uma queda de 50% nas visualizações originadas das recomendações para esses vídeos. Isso significa que o conteúdo de qualidade tem mais chance de ganhar destaque. Também começamos a testar essa alteração no Reino Unido, Irlanda, África do Sul e em outros mercados de língua inglesa. 
  • Por fim, definimos  critérios mais rigorosos para os canais que podem gerar receita no site, RECOMPENSANDO criadores qualificados e confiáveis. Nem todo conteúdo permitido no YouTube corresponderá ao que os anunciantes consideram adequado para a marca. No entanto, precisamos garantir que eles fiquem tranquilos com o local de exibição dos anúncios. É também por isso que  estamos possibilitando novas fontes de receita para criadores (em inglês), como o Super Chat e os Clubes dos canais. Milhares de canais passaram a ganhar mais que o dobro da própria receita total no YouTube usando essas novas ferramentas, além da publicidade.

As histórias que criadores de conteúdo como vocês contam me inspiram todos os dias. A comunidade que vocês criaram é a prova viva de que uma Internet que reúne ideias diferentes pode mudar o mundo para melhor. Vocês criaram algo incrível. É nosso trabalho encontrar o equilíbrio ideal entre abertura e responsabilidade para que as futuras gerações de criadores de conteúdo e usuários garantam o futuro da plataforma.

Susan Wojcicki

Destaques