Projeto Nimbus: inteligência artificial do Google a serviço do mal?

Artigos da imprensa internacional apontam que o Google estaria fornecendo ao governo israelense ferramentas de aprendizado de máquina e inteligência artificial de ponta sob um acordo polêmico chamado “Projeto Nimbus”. 

Anunciado pelo Ministério das Finanças de Israel em abril de 2021, o acordo visa construir um sistema de computação em nuvem de US$ 1,2 bilhão desenvolvido em conjunto pelo Google e pela Amazon.


O programa pretende fornecer soluções abrangentes em nuvem para agências governamentais, militares e outras.

Embora os serviços militares e de segurança israelenses já usem sofisticados sistemas de vigilância por computador, a sofisticação das ferramentas de análise de dados do Google pode exacerbar a militarização dos dados.

O Google está fornecendo ao governo israelense um conjunto completo de ferramentas de inteligência artificial e aprendizado de máquina acessíveis por meio do Google Cloud Platform.

Isso fornecerá a Israel detecção, classificação automática de imagens, rastreamento de objetos e até análise de sentimentos, projetados para avaliar o conteúdo emocional de fotos, fala e escrita, embora não detalhe como o Nimbus é usado.

A maioria dos Googlers que criaram o Nimbus não sabem como o sistema realmente funciona porque pouca informação está disponível ao público sobre ele além do fato de que ele existe.

Desde o anúncio, os engenheiros do Google temem que seu trabalho possa, sem saber, apoiar a atual ocupação militar israelense da Palestina.

Israel foi legalmente acusado em 2021 de crimes contra a humanidade pela Human Rights Watch e Anistia Internacional, citando a continuação do apartheid contra os palestinos.

You May Also Like