Review do Google WiFi: o roteador do Google vale a pena?

Depois de algumas semanas usando o Google WiFi, estou pronto para dar minha opinião sobre o tão aguardado roteador sem fio do Google que chegou ao Brasil no último mês de Outubro após 5 anos de espera.

Diferente do preço inicial de R$ 1.000, que assustou muitos de nós no lançamento, o Google WiFi já pode ser encontrado na casa dos 600 reais em determinados varejistas, indicando a possibilidade de que o valor do dispositivo venha cair mais no futuro – ou até mesmo sugerindo uma versão mais recente venha para o Brasil.


Quando digo “versão mais recente”, isso se deve ao fato que o Google WiFi foi lançado nos EUA em 2016 e, apesar de robusto, pode não ser uma ótima aquisição caso você tenha preferência por roteadores mais modernos com suporte a Wi-Fi 6 (falei sobre isso neste post).

E vamos, então, ao que interessa: Google WiFi, vale a pena?

Quero começar esse review falando um pouco do unboxing desse produto que chama a atenção pela simplicidade da caixa e dos acessórios.

Diferente de roteadores de outras marcas, que muitas vezes são um “cubo mágico”, o WiFi é simples: basta conectar o cabo no roteador da sua operadora de internet e energia elétrica para começar a fucionar.

Com o led branco estacionado na parte frontal, basta abrir o app do Google Home para startar o instalador. Se você tem experiência no Chromecast ou Nest Mini, os passos na tela do celular serão muito parecidos e sem grandes surpresas. Tudo acontece automagicamente, sem acesso a ferramentas e recursos estranhos.

Após instalado, o Google WiFi está pronto para uso. Ou melhor, é possível que você tenha que aguardar um pouco para instalar a última versão do software que lembrando: é mantido pela equipe do Google e não há prazo para ser descontinuado visto que o dispositivo está ainda à venda.

Além disso, ele também corre menos ou zero risco de ser hackeado ou que venha a ser infectado com malware por se tratar de um produto com desenvolvimento contínuo.

Com relação ao funcionamento, o Google WiFi é um roteador como qualquer outro,.mas ele vem preparado para se conectar a outros Google WiFi podendo construir uma poderosa rede Mesh.

Se você mora em uma casa grande ou com muitas paredes no interior, separar outros dispositivos do Google WiFi permite cobrir os cantos e espaços com falhas de sinal – neste quesito, infelizmente, não pude testar pois o Google forneceu ao blog apenas uma unidade.

Já em relação ao sinal, o Google Wifi se mostrou bastante capaz em dois ambientes testados: de 90 m² e 55 m² (nota: com o dispositivo localizado no centro de ambos).

Enquanto no primeiro manteve uma cobertura funcional com algumas quedas na potência do sinal (sem interrupção da internet), o segundo a cobertura foi de 100%, sem mostrar nenhuma queda, apontando para um bom sinal de WiFi.

Led frontal do Google WiFi pode ser controlado. Detalhe para o tapetinho…

Há algumas coisas curiosas no dispositivo: a luz frontal – que indica o status – pode ser ajustada para um brilho mais forte ou fraca, ou até mesmo desligada – caso esteja em um ambiente como um quarto.

Já para quem tem muita reunião no metaverso do Microsoft Teams ou Zoom, ou adora jogos multiplayer, o Google WiFi pode ser configurado para dar um melhor desempenho a essas atividades. Nos testes, porém, a sensação foi contrária com engasgos em vídeo-chamadas.

Aproveitando que entrei num momento de “troubleshooting”, o Google Wifi não está livre de falhas ou dificuldades.

Adquiri uma tomada inteligente da i2GO para automatizar a minha árvore de natal com a Alexa. Apesar das várias tentativas, não consegui fazer a conexão por meio do Google Wifi, que por alguma razão não permitia que o celular conseguisse se conectar a tomada. Neste caso, tive que conectar pela Wifi do roteador da minha operadora residencial.

Por fim, quero falar da velocidade do roteador. Se você tem uma internet até 250 MB e poucos dispositivos conectados, o Google WiFi é bastante capaz para aguentar. Acima disso, a falta de suporte ao Wi-Fi 6 pode ficar evidente comprometendo o desempenho quando muitos aparelhos estiverem conectados.

Você deve estar se perguntando: o Google vai ler e arquivar tudo o que eu faço? Não.

O WiFi não coleta dados de atividade do usuário, nem os sites que você visitou. Por padrão, coleta apenas informações relacionadas a hardware, aplicativo e rede (mas pode ser ajustado nas configurações).

Resumindo, o Google Wifi é um excelente dispositivo para quem não entende nada de roteadores e quer uma solução de bastante fácil e segura. Agora, se você tem uma casa inteligente, é melhor aguardar pelo Wi-Fi 6 da próxima geração.

Se você tem alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo pois poderemos abordar em um novo post sobre o Google WiFi.

Comente!