Tribunal da Austrália diz que Google enganou usuários sobre dados de localização

O Tribunal Federal da Austrália decidiu que o gigante da tecnologia enganou os consumidores ao estabelecer um local duplo para a coleta de histórico de localização.

O caso envolveu dados de localização pessoal coletados pelo Google por meio de dispositivos móveis Android de janeiro de 2017 a dezembro de 2018.


Segundo o tribunal, ao “criar uma nova Conta do Google durante o processo de configuração inicial de seu dispositivo Android, o ‘Histórico de Localização’ era a única configuração da Conta do Google que coletava ou usou dados de identificação pessoal sobre sua localização.

“Na verdade, outra configuração da Conta do Google intitulada ‘Atividade na Web e de aplicativos’ também permitiu ao Google coletar, armazenar e usar dados de localização pessoalmente identificáveis ​​quando foi ativada, e essa configuração foi ativada por padrão”, escreveu o magistrado.

O Tribunal também decidiu que o Google enganou os consumidores quando eles acessaram posteriormente a configuração ‘Histórico de localização’ em seus dispositivos Android durante o mesmo período de tempo para desativar essa configuração.

Mesmo após as mudanças feitas pelos clientes, o Google continuava a coletar, armazenar e usar seus dados de localização pessoalmente identificáveis.

O Google emitiu uma nota sobre o assunto:

O tribunal rejeitou muitas das reivindicações gerais do ACCC. Discordamos das conclusões restantes e atualmente estamos revisando nossas opções, incluindo um possível recurso. 

Fornecemos controles robustos para dados de localização e estamos sempre procurando fazer mais – por exemplo, recentemente introduzimos opções de exclusão automática para o Histórico de localização, tornando ainda mais fácil controlar seus dados.

Comente!