Google tem lista secreta que oculta os vídeos de ódio do YouTube dos anunciantes, mas nem todos

Se você quiser encontrar vídeos do YouTube relacionados a incitação ao ódio para publicidade, o Google Ads irá bloqueá-lo. Mas o buscador não conseguiu impedir dezenas de outras frases abomináveis, slogans e nacionalistas brancos.

O The Markup, com a ajuda de especialistas, compilou uma lista de 86 termos relacionados ao ódio. A investigação revelou que o Google possui um filtro para impedir que anunciantes criem campanhas no YouTube sobre termos de ódio.


No entanto, de acordo com a pesquisa, menos de um terço das condições da lista foram bloqueadas.

Os anúncios do Google recomendaram milhões de vídeos para anunciantes relacionados ao “poder branco”, ao slogan fascista “solo sangrento” e a violenta “guerra da raça sagrada”.

A empresa chegou a sugerir vídeos considerados problemáticos, como “grandes substitutos” para a campanha.

A matéria ainda reporta que o Google Ads recomendou publicidade relacionada a termos de ódio que contêm racismo e intolerância óbvios, incluindo vários vídeos republicados no podcast neonazista The Daily Shoah, cujo canal oficial foi suspenso pelo YouTube em 2019 por discurso de ódio.

Resposta do Google

Ao ser abordado sobre a reportagem, o Google bloqueou 44 termos de ódio que estavam na lista do The Markup.

“Reconhecemos plenamente que a funcionalidade de localização de canais de anúncios no Google Ads não funcionou como esperado”, escreveu o porta-voz da empresa, Christopher Lawton, por e-mail; 

“Esses termos são ofensivos e prejudiciais e não deveriam ser pesquisáveis. Nossas equipes resolveram o problema e bloquearam os termos que violam nossas políticas de aplicação. ”

“Levamos a questão do ódio e do assédio muito a sério”, acrescentou ele, “e o condenamos nos termos mais enérgicos possíveis”.

Bloqueio não é 100%

Após o contato do Google, a equipe do The Markup voltou a testar novos termos e foram encontrados slogans nacionalista branco como “você não vai nos substituir”, “renascimento americano”, e o meme anti-semita “fronteiras abertas para Israel”.

Além disso, eles [Google] não levaram em consideração soluções alternativas simples, como pluralizar uma palavra, alterar um sufixo ou remover espaços entre as palavras.

Megan Squire, professora da Universidade Elon que estuda como extremistas operam em plataformas online, comentou sobre a lista do Google: “Esta lista de bloqueio parece bastante ingênua”.

Após os novos questionamentos, o Google teria tomado outras ações de bloqueio e restrições, mas a palavra “Whitepill”, que, apesar de bloqueada como duas palavras, ainda podia ser pesquisada quando escrita junta.

* Os termos mencionados neste post foram traduzidos usando o Google Tradutor.

Comente!