6 dicas do Google para verificar fatos e combater a desinformação

A Busca do Google é um componente essencial dos esforços de verificação de fatos em todo o mundo.

A seguir, confira 6 maneiras indicadas pelo o próprio Google sobre como a ferramenta pode ser usada para checar conteúdo suspeito e ajudar na luta contra desinformação.


  1. Encontre informações confiáveis no topo da Busca

Os sistemas de classificação da Busca facilitam a descoberta de informações relevantes e confiáveis na web aberta, especialmente para tópicos como saúde e em tempos de crise, como a pandemia de COVID-19. 

Em todos os casos, o Google desenvolveu uma série de recursos para disponibilizar e priorizar informações de organizações oficiais, como governos locais, agências de saúde e órgãos eleitorais diretamente na Busca. Assim, as pessoas podem ter conteúdo de qualidade quando mais precisam.

Esse é o caso dos painéis “Como Votar” e “Dúvidas sobre Título de Eleitor” que aparecem no topo dos resultados com respostas para dúvidas frequentes sobre o pleito eleitoral de 2020.

O eleitor consegue ter acesso rapidamente e antes de qualquer outro resultado orientações da Justiça Eleitoral para votar melhor informado e com segurança. O mesmo ocorre hoje com as consultas sobre saúde e doenças que trazem dados fornecidos por especialistas do Hospital Albert Einstein.

  1. Mantenha-se informado em situações de crise e notícias de última hora

Em contextos que estão mais suscetíveis a boatos e a disseminação de informações falsas, como em situações de desastre natural, pandemias e crises, a Busca pode ser uma aliada para encontrar informação atualizada e de fontes respeitadas.

Recentemente, o sistema de algoritmos foi aprimorado para reconhecer automaticamente as notícias de última hora e garantir que os resultados ofereçam as informações confiáveis disponíveis no momento da pesquisa. Isso foi possível graças aos avanços na capacidade de identificar esse tipo de notícia – e fazer isso cada vez mais rápido.

Se há poucos anos esse processo de identificação levava cerca de 40 minutos, hoje, ocorre poucos minutos depois que o acontecimento emerge e chega ao noticiário. 

Para monitorar ativamente ameaças de desinformação, o Google montou a Intelligence Desk, uma central para coletar dados e analisar como nossos sistemas se comportam diante da ascensão de acontecimentos importantes e, assim, ajudar a aprimorar a velocidade e a utilidade dos nossos resultados.

Graças a esse trabalho, o Google consegue publicar o Alerta SOS  no topo da Busca  para que as pessoas tenham acesso rápido a informações essenciais. Essas atualizações podem incluir links de fontes oficiais, números de telefone de emergência, mapas, traduções de frases úteis, entre outras.

  1. Confira notícias falsas que já foram verificadas

É possível encontrar o selo de verificação de fatos para notícias que foram desmentidas na Busca, no Google Notícias e agora no Google Imagens. Esses selos e verificações vêm de veículos, editores e agências de checagem que usam o sistema ClaimReview para destacar as verificações feitas por eles.

No Brasil, temos parcerias com diversas agências e veículos dedicados a checar ou verificar informações. Este ano, pessoas do mundo inteiro já viram checagens na Busca e no Google Notícias mais de quatro bilhões de vezes até o momento – volume superior a todos os doze meses de 2019. 

  1. Tenha mais contexto para as informações que procura 

A Busca do Google está à disposição de todos. É uma ferramenta que se dedica a garantir que cidadãos, sociedade civil, academia e jornalistas, tenham acesso livre e desimpedido ao vasto acervo de informação disponível na web aberta – não é preciso criar uma conta para poder usá-la.

Ter acesso a essa diversidade é fundamental para identificar conteúdo enganoso e fraudulento.

Para ajudar as pessoas a ter mais contexto para as informações que buscam,  a Busca e o Google Notícias oferecem recursos como “notícias relacionadas” e “cobertura completa” priorizando conteúdo de fontes confiáveis, além de imagens e vídeos, que ajudam as pessoas a explorar e entender como as histórias e fatos evoluíram.

5. Acesse conteúdo original e notícias exclusivas rapidamente 

Além do destaque  para versões mais recentes e abrangentes de um assunto ao exibir os resultados de notícias,  houve uma mudança global na Busca para valorizar conteúdo e notícias exclusivas de veículos jornalísticos e assegurar que apareçam por mais tempo no topo dos resultados.

Graças a essa alteração, o usuário pode conferir o conteúdo original de uma notícia  e também ter acesso a artigos mais recentes sobre o mesmo tema. Em grandes eventos, por exemplo, isso pode auxiliar na checagem de fatos reportados diretamente na fonte original e direto de páginas de jornalismo profissional.

6. Ajuda para identificar agentes maliciosos e spam

Os algoritmos não conseguem determinar se um determinado conteúdo sobre eventos recentes é verdadeiro ou falso, ou mesmo a intenção do autor ou autora do conteúdo apenas lendo o que está na página da web.

Por outro lado, a Busca foi desenhada para detectar tentativas de enganar os sistemas de classificação ou burlar nossas políticas. Um exemplo disso são os conteúdos nos quais a intenção de manipular ou enganar as pessoas é evidente, como a caracterização incorreta da identificação ou do objetivo do site. Em outras palavras, um veículo não pode se identificar como sendo de Brasília e apresentar somente notícias relacionadas ao Mato Grosso.

A regra de identificação apropriada também vale para anúncios feitos em nossas plataformas: o texto publicitário não pode dizer uma coisa e a página do produto mostrar outra. 

A Busca também está preparada para identificar comportamentos relacionados a spam – uma prática que visa enganar os sistemas de classificação para conseguir mais visibilidade.

Embora nem todos os criadores de spam se envolvam em desinformação, muitos dos agentes mal-intencionados que tentam distribuir conteúdo suspeito, independente do nível de sofisticação ou financiamento, envolvem-se em táticas semelhantes.

Há ainda os spams que são combatidos manualmente por um equipe de remoção que analisa páginas frequentemente com base em feedback de usuários e canais de denúncia. Quando identificadas, agimos imediatamente. 

Comente!