Google pode ser forçado a vender o Chrome

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está planejando processar o Google por (supostamente) abusar de seu controle sobre o mercado de buscas.

Embora as etapas iniciais do processo antitruste ainda estejam em andamento, os promotores tem falado sobre o que gostariam de romper se os tribunais decidirem a seu favor e um dos maiores candidatos é o navegador Chrome .


Com uma participação de mercado de mais de 66%, o Chrome é popular o suficiente para definir padrões que podem prejudicar outras empresas.

Isso inclui cookies de terceiros, que o Google está abolindo por motivos de privacidade – um gesto nobre, mas que prejudicará a indústria editorial.

“As próprias estimativas do Google mostram que a eliminação desses cookies reduzirá a receita de publicidade para agências de notícias que exibem anúncios online em até 62%”, observou o Politico.

No entanto, esse é um problema menor para o Google, já que há muitas outras maneiras de coletar dados do usuário.

“O modelo de negócios baseado em anúncios do Google pode levantar questões sobre se os padrões que o Google escolhe introduzir são projetados principalmente para servir os interesses do Google”, disse um relatório.

“Os participantes do mercado estão preocupados porque, embora o Google elimine os cookies de terceiros necessários para outras empresas de publicidade digital, o Google ainda pode confiar nos dados coletados em todo o seu ecossistema.”

Em setembro de 2020, a base de usuários do Google Chrome cresceu para 66,3% com base nas estatísticas da Statcounter.

O Safari da Apple está muito atrás, com 16,76 por cento, enquanto o Mozilla Firefox e o Microsoft Edge são uma queda relativa com 4,08% e 2,61%, respectivamente.

Comente!