Google celebra a vida de Brenda Lee (Trans)

16
15998

O Google está promovendo, em sua página inicial, uma homenagem a militante transexual brasileira dos direitos LGBT, Brenda Lee. A homenagem acontece no Dia Nacional da Visibilidade Trans.

“Brenda Lee foi uma militante transexual brasileira dos direitos LGBT. Brenda foi considerada o ‘anjo da guarda das travestis’ e tinha como objetivo ajudar a todos, doentes ou não, que eram discriminados pela sociedade”, menciona a Wikipédia.


“Seu trabalho tornou um referencial e um marco importante e, por isso, em 21 de outubro de 2008 foi instituído o Prêmio Brenda Lee concedido quinquenalmente para sete categorias por ocasião das comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids e aniversário do Programa Estadual DST/Aids do Estado de São Paulo”.

Em 28 de maio de 1996, Brenda foi brutalmente assassinada com dois tiros e seu corpo foi encontrado dentro de uma Kombi em um terreno baldio.

Desde 1988, a Casa de Apoio Brenda Lee, também conhecida como Palácio das Princesas, abriga pessoas homossexuais e portadores de HIV rejeitados por parentes. O local ainda oferece assistência médica, sendo travestis ou não.

Visibilidade Trans

16 COMENTÁRIOS

  1. Obrigado por fazer essa homenagem a tal pessoa, essa atitude alegra meu coração e de muitas outras pessoas que são totalmente contra a violência e ao preconceito que ocorre em nossa sociedade, que mais pessoas corajosas como essa apareçam e tornem o mundo um lugar melhor.

  2. Chegará um dia em que as pessoa não sejam sejam rotuladas como gays , trans, hétero etc?
    Somos todos seres humanos!

  3. Tem pessoas que tem um destino certo na vida, Brenda Lee teve o destino de ser grande para cuidar daqueles que se sentiam frágeis e pequenos.

  4. Que exemplo de pessoa, o préconceito e violência , todas as piadinhas ela aniquilou com sua bondade e carinho

  5. ONG Jardim das Borboletas é da cabeleireira Aline Coutinho. Essa é quem merece ser celebrada pelo Google.

  6. E eu achando que era da ´pioneira feminina “MULHER” do Rock´n Roll..nos Estados unidos da America.era total plagio.kkkk

  7. Adorei a homenagem,muito bem lembrada – Achei que fosse aquela cantora americana.

  8. Eu me criei sem fazer diferenças e, depois comecei a ver que, principalmente as mídias, dão ênfase a esta parte. Nada muda ser diferente. Todos temos o coração igual e que bate da mesma forma e c’est fini… cada um tem que se aceitar como é. Abraço

Comente!