A cultura da notícia falsa no Facebook

Enquanto o Google começa a checar fatos no Google News, o Facebook não tem mostrado nenhuma preocupação em propagar notícias falsas por meio de seus algoritmos do feed de notícias.

De acordo com o The Guardian, o Facebook tem se abdicado de sua responsabilidade de reprimir notícias falsas e combater manchetes que possam, por exemplo, ter influenciado as eleições americanas.


Além disso, o algoritmo do Facebook entende que as pessoas são mais propensas a ver histórias que correspondem aos seus próprios pontos de vista políticos.

“As métricas de ‘engajamento’ distorcem o cenário da mídia, permitindo clickbait, hipérbole e a proliferação da desinformação”, questiona o jornal britânico.

“Quanto mais cliques, curtidas e compartilhamentos, mais o Facebook nos alimenta com mensagens semelhantes”.

A manipulação do Facebook tem alimentado como nunca o público com informações falsas e ignorado a informação divergente, criando uma verdadeira “bolha” para cada usuário.

Ao manter as pessoas conectadas com os assuntos que atraem sua atenção, o Facebook garante o retorno do público e os seus bilhões de dólares em receitas.

Atualmente 44% dos americanos leem notícias por meio do Facebook e 38% das mensagens compartilhadas incluem “informações falsas ou enganosas”.

3 Replies to “A cultura da notícia falsa no Facebook

  1. Por isso que eu chamo de faceburro, de facebosta.

    Mas o pior mesmo é a escória (a.k.a. usuários) que se acham por ter conta lá.

  2. Hahahaha! Como a mídia esquerdista não conseguiu influenciar o eleitorado para eleger a candidata para quem torcia, agora a culpa é do Facebook!

Comente!