LG Nexus 4 será vendido pelo PontoFrio

Nexus_SaveTheDate

Em confirmação aos rumores lançados, em primeira mão, pelo Google Discovery, o PontoFrio será a primeira loja de eletrônicos a vender o LG Nexus 4, o mais recente dispositivo da linha Nexus.


Uma pessoa ouvida pelo blog na semana passada – que pediu para permanecer sob anonimato – afirmou que o dispositivo da LG seria vendido através de um “grande varejista brasileiro” mas sem qualquer subsídio.

De acordo com a fonte, a fabricante sul-coreana também poderá ser responsável por disponibilizar as futuras atualizações, assim como aconteceu com a Samsung e a versão nacional do Galaxy Nexus, o Galaxy X.

Um “coquetel de lançamento” está sendo planejando para as lojas do PontoFrio no Shopping JK Iguatemi e Ibirapuera. No convite enviado para algumas pessoas, as empresas dizem que o “aparelho que vai revolucionar o mercado”.

Nexus_SaveTheDate2

53 Replies to “LG Nexus 4 será vendido pelo PontoFrio

      1. GoogleDiscovery :) Se vcs quiserem aproveitar o lançamento e me dar um de presente eu aceito ok?

  1. JanainaOliveira todos que compraram acharam o aparelho muito bom. Aliás, os novos da LG estão muito bons. =)

    1. ReneFraga o meu L5 foi muita decepção. Convenci algumas pessoas a não comprarem LG por causa da péssima experiência.

  2. Já divulgaram valor do Nexus 4 no Brasil? Não achei em lugar nenhum ainda.

  3. Tenho certeza que o N4 vai estar com um preço acessível <<<
     
    Será que a versão vendida aqui terá como acessório os FONES DE OUVIDO>>>

  4. Os subsídios são para o primeiro mundo, bancados pelo lucro vem do terceiro mundo.

  5. Os subsídios são para o primeiro mundo, bancados pelos lucros que vêm do terceiro mundo.

        1. @Otavio Bom, só disse o que toda grande corporação já sabe há algum tempo. O lucro e o crescimento de mercados está nos países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. A concorrência e a estagnação nos Estados Unidos e Europa fazem com que eles corram para cá. O primeiro mundo não dá lucro. Só despesa e concorrência. O acirramento faz os preços caírem.
           
          A Volks tira seus lucros do terceiro mundo, bem como o Santander, Tim etc. E isso está começado com as grandes empresas de tecnologia e inovação. Vão aproveitar e tirar o máximo agora.

        2. @brmoraiss Mas qual a relação com a sua afirmação? Se lá não dá lucro porque subsidiam o aparelho ainda?
           
          E como a Amazon, usando a mesma estratégia com o Kindle, vendendo apenas nos EUA se deu bem?
           
          O subsídio é pago com o consumo de aplicativos e mídia depois da compra, o que é muito comum por lá.
           
          Além disso quem paga o subsídio é a Google, e quem está trazendo o aparelho para o Brasil é a LG.
           
          Por esses motivos não vejo sentido na sua afirmação.

        3. @brmoraiss  @Otavio Meu amigo, nunca que o Brasil dá mais lucro do que os EUA. Se isso fosse verdade, o nosso mercado receberia maior atenção do que o deles, pode ter certeza, pois o lucro é a grande busca de qualquer empresa. Vc já foi aos EUA? Conhece ao menos um pouco o consumidor americano? Eles são tão consumistas que, mesmo em períodos de crise ou estagnação, consomem pelo menos 4 vezes mais do que nós brasileiros. O dinheiro que circula no mercado de lá, mesmo em épocas de crise, daria pra bombar o mercado brasileiro por 20 anos.

        4. @brmoraiss  @Otavio Visão um tanto quanto esquerdista coitadista esta. Os estados unidos são ainda o maior mercado do planeta, consomem demais, e dá lucro sim por lá porque praticamente todo americano tem um cel com plano tanto de voz quanto de dados, os números são assombrosos em comparação com os do Brasil. Playstore do google e Amazon não se tornaram empresas gigantes por vender pouco lá. O que acontece é que pra subsidiar aqui no brasil é preciso ter perspectiva de retorno, e como o ticket médio em appstores por aqui é baixo, ainda não se justifica, melhor subsidiar em algum outro país, com risco país menor que o risco brasil, com mais segurança jurídica, etc. 
           
          Claro que concordo com a existência do “preço brasil”, que é um combo de custo, margem de lucro exorbitante e impostos pesadíssimos, e que pagamos três vezes mais num carro e num eletrônico por causa disso, e que mesmo com subsídio do Google o Nexus 4 seria mais caro aqui que nos USA por causa da margem da LG aqui, bem como dos impostos, mas daí a dizer que por isso o Brasil é o melhor país do mundo pra investir é uma falha de raciocínio. Como os preços são elevados em comparação com a renda média da população, a penetração de smartphones no nosso mercado é infimamente inferior que nos países desenvolvidos, então nem de longe somos tão interessantes assim para estas empresas. Pode ter certeza, haveria venda de dispositivos com subsídio se fossemos a bola da vez de verdade, e não só na cabeça da Dilma e do Mantega.

  6. Como vai ser no Pontofrio, e não no Google Play, dificilmente sai por menos de R$ 1.000,00.

  7. Ou talvez os subsídios sejam para os países desenvolvidos onde as pessoas tem planos de dados e vão comprar aplicativos em massa, não para países como o Brasil em que mais de 80% das linhas sejam pré-pagas e consequentemente não usem aplicativos…

    1. @rafaelsmoreno Qual é a ligação entre aplicativo e plano? Com licença, mas eu tenho um pré-pago da tim pois mal uso o aplicativo phone e mesmo assim já torrei dinheiro na Play Store.
      Seu argumento é inválido.

      1. @YanGM  @rafaelsmoreno Sim, o argumento dele é invalido. Mesmo assim o consumo de apps no Brasil é muito pequeno. A maioria nem cartão de crédito tem.

        1. @Otavio  @YanGM  @rafaelsmoreno É possível que o consumo seja pequeno. Mas você sabe quanto? E onde você viu essa informação que diz que a maioria não tem cartão de crédito?

      2. @YanGM
        O que eu quis dizer e aparentemente não foi plenamente entendido é que o Google lá fora subsidia os aparelhos mais baratos (Nexus 4 a 299 USD nos USA, por exemplo) para alavancar a base de aparelhos android e, com isso, aumentar o número de clientes na playstore, exatamente da mesma forma que a amazon faz com o kindle.
         
        Como para se comprar aplicativos para seu dispositivo android é preciso ter acesso a internet nele, faz sentido que você precise assinar um plano de dados para tal, e consequentemente que seu celular tenha um plano, ao invés de ser pré-pago, pois no geral (há exceções mas não numericamente significativas) o público que vai trazer retorno numa loja de aplicativos é aquele que tem um plano de dados com bom limite de downloads e que vai ter um ticket médio bom numa appstore. Trata-se de um cálculo simples de viabilidade de negócio, estima-se o desembolso com subsídio, o aumento na base de celulares android e a consequente expansão das vendas na aapstore e voila! A avaliação da viabilidade está feita, e caso o VPL (Valor presente líquido) do investimento seja negativo, bye bye. 
         
        Não consigo entender quando disseram que meu argumento é inválido, pois apresentar a opinião de ele ser inválido é fácil, mas quero ver os argumentos que o refutam. Há acesso à internet mesmo de celulares pré? Ok, mas pessoas que gastam 50 centavos por dia para acessar a internet no tim net pré, por exemplo, compram apps  ou apenas baixam os gratuitos? E sendo 80% dos cels brasileiros pré, qual seria o tamanho do público alvo de uma appstore? Justificaria o subsidio do Google à LG? Creio que não. 
         
        Agora, voltando ao outro assunto discutido, o “preço Brasil”. Concordo sim que a lucratividade da venda do aparelho em si vai ficar toda com a LG , mas isso também acontece nos USA, a diferença é que o Google subsidia o desconto. E sim, no Brasil pra comprar um celular você paga três (um pra comprar o celular, outro pra dar de lucro abusivo, outro de imposto abusivo), e mesmo com subsidio o preço aqui seria maior que o preço em outros países com subsídio creio eu, mas já seria melhor e mais competitivo com outros aparelhos por aqui. 
        Leia mais em: http://googlediscovery.com/2013/03/25/lg-nexus-4-sera-vendido-no-pontofrio/?hubRefSrc=email#lf_comment=65679031

    2. @rafaelsmoreno Aí você fala a mesma coisa. Nós que bancamos isso. Você sabe bem que mesmo o aparelho sem plano é muito mais barato que o daqui. Talvez, o mesmo preço de quando contratamos um péssimo plano de dados. E já foi comprovado que a culpa não é dos impostos. É lucro abusivo mesmo! A cereja do bolo ainda é deles. E como fala @YanGM : não há ligação entre plano, aplicativo e aparelho. Mesmo sendo um Nexus, a maior parte da rentabilidade é da LG, que em nada participa da Play Store.

      1. @[email protected]
        O que eu quis dizer e aparentemente não foi plenamente entendido é que o Google lá fora subsidia os aparelhos mais baratos (Nexus 4 a 299 USD nos USA, por exemplo) para alavancar a base de aparelhos android e, com isso, aumentar o número de clientes na playstore, exatamente da mesma forma que a amazon faz com o kindle.
         
        Como para se comprar aplicativos para seu dispositivo android é preciso ter acesso a internet nele, faz sentido que você precise assinar um plano de dados para tal, e consequentemente que seu celular tenha um plano, ao invés de ser pré-pago, pois no geral (há exceções mas não numericamente significativas) o público que vai trazer retorno numa loja de aplicativos é aquele que tem um plano de dados com bom limite de downloads e que vai ter um ticket médio bom numa appstore. Trata-se de um cálculo simples de viabilidade de negócio, estima-se o desembolso com subsídio, o aumento na base de celulares android e a consequente expansão das vendas na aapstore e voila! A avaliação da viabilidade está feita, e caso o VPL (Valor presente líquido) do investimento seja negativo, bye bye. 
         
        Não consigo entender quando disseram que meu argumento é inválido, pois apresentar a opinião de ele ser inválido é fácil, mas quero ver os argumentos que o refutam. Há acesso à internet mesmo de celulares pré? Ok, mas pessoas que gastam 50 centavos por dia para acessar a internet no tim net pré, por exemplo, compram apps  ou apenas baixam os gratuitos? E sendo 80% dos cels brasileiros pré, qual seria o tamanho do público alvo de uma appstore? Justificaria o subsidio do Google à LG? Creio que não. 
         
        Agora, voltando ao outro assunto discutido, o “preço Brasil”. Concordo sim que a lucratividade da venda do aparelho em si vai ficar toda com a LG , mas isso também acontece nos USA, a diferença é que o Google subsidia o desconto. E sim, no Brasil pra comprar um celular você paga três (um pra comprar o celular, outro pra dar de lucro abusivo, outro de imposto abusivo), e mesmo com subsidio o preço aqui seria maior que o preço em outros países com subsídio creio eu, mas já seria melhor e mais competitivo com outros aparelhos por aqui. 
        Leia mais em: http://googlediscovery.com/2013/03/25/lg-nexus-4-sera-vendido-no-pontofrio/?hubRefSrc=email#lf_comment=65679031

  8. Nao gostei da parte de que a responsavel pela a atualização vai ser a LG…

    1. @viniciusghietti Tambem nao gostei nada disso. Tenho um Nexus  aqui do Brasil (Galaxy X ) e tive que usar o famoso jeitinho brasileiro pra fazer ele virar Nexus e receber atualização direto do Google. Tão desnecessario.. Comprar um celular que tem o diferencial de ter o ultimo Android, e ficar esperando atualização via Kies nao rola. Espero que essa noticia nao seja verdadeira. Se Samsung enrola com att, imagina Lg –‘

      1. @LeandroMartins  @viniciusghietti Eu também fiz isso no meu antigo Galaxy Nexus e, decididamente, não admito mexer com isso mais. Prefiro comprar um Nexus 4 importado. Não vale a pena comprar nada nesse Brasil não. Tanto pelo preço quanto por essas palhaçadas que só acontecem por aqui.

        1. @LucianoCarvalho  @viniciusghietti É.. Se for isso mesmo, to vendo que vou comprar pelo ML.. Preço vai sair quase a mesma coisa, com o diferencial de ser importado. Esperemos.

  9. @YanGM @brmoraiss O que eu quis dizer e aparentemente não foi plenamente entendido é que o Google lá fora subsidia os aparelhos mais baratos (Nexus 4 a 299 USD nos USA, por exemplo) para alavancar a base de aparelhos android e, com isso, aumentar o número de clientes na playstore, exatamente da mesma forma que a amazon faz com o kindle.
     
    Como para se comprar aplicativos para seu dispositivo android é preciso ter acesso a internet nele, faz sentido que você precise assinar um plano de dados para tal, e consequentemente que seu celular tenha um plano, ao invés de ser pré-pago, pois no geral (há exceções mas não numericamente significativas) o público que vai trazer retorno numa loja de aplicativos é aquele que tem um plano de dados com bom limite de downloads e que vai ter um ticket médio bom numa appstore. Trata-se de um cálculo simples de viabilidade de negócio, estima-se o desembolso com subsídio, o aumento na base de celulares android e a consequente expansão das vendas na aapstore e voila! A avaliação da viabilidade está feita, e caso o VPL (Valor presente líquido) do investimento seja negativo, bye bye. 
     
    Não consigo entender quando disseram que meu argumento é inválido, pois apresentar a opinião de ele ser inválido é fácil, mas quero ver os argumentos que o refutam. Há acesso à internet mesmo de celulares pré? Ok, mas pessoas que gastam 50 centavos por dia para acessar a internet no tim net pré, por exemplo, compram apps  ou apenas baixam os gratuitos? E sendo 80% dos cels brasileiros pré, qual seria o tamanho do público alvo de uma appstore? Justificaria o subsidio do Google à LG? Creio que não. 
     
    Agora, voltando ao outro assunto discutido, o “preço Brasil”. Concordo sim que a lucratividade da venda do aparelho em si vai ficar toda com a LG , mas isso também acontece nos USA, a diferença é que o Google subsidia o desconto. E sim, no Brasil pra comprar um celular você paga três (um pra comprar o celular, outro pra dar de lucro abusivo, outro de imposto abusivo), e mesmo com subsidio o preço aqui seria maior que o preço em outros países com subsídio creio eu, mas já seria melhor e mais competitivo com outros aparelhos por aqui.

    1. @rafaelsmoreno  @brmoraiss Seguindo a sua linha de raciocínio, um Nexus 7 wifi não deveria ter subsídios. Oras, praticamente todo cidadão que pode comprar um smartphone já tem um roteador wifi em casa, e a maioria que compra smartphones high-end já saem da loja com um plano de dados.
      Ao meu ver, os subsídios do Google são justamente para desapegar das operadoras, ou seja, (ao menos lá) pré pago.
      O que eu quero dizer é que: O objetivo do Google nada tem a ver com operadoras, muito pelo contrário, é incentivar as pessoas a largarem de operadoras, pegando um celular desbloqueado a preço de celular subsidiado pela operadora.
       
      Você fala como se o Brasil fosse o único país no mundo que pirateia, mas se esquece dos fatos: enquanto um americano pode pagar pelo seu Angry Birds na conta do telefone, um brasileiro precisa comprovar renda e obter um cartão internacional para comprar algo na faixa dos centavos. Junte isso a cultura comodista e você verá que é muito mais fácil buscar no próprio Google a versão pirata do App do que passar por processos burocráticos enormes. Existem rumores bem datados que o Google iria trazer algo semelhante ao Brasil, mas o mesmo Google até hoje não suporta cartão nacional brasileiro. É fácil dizer que o Google não lucraria  quando o mesmo não move uma agulha para lucrar.
       
      Volto a bater na mesma tecla e falo mais: esse número linhas é completamente inflado, terminais de dados contando como linha, pessoas multi chip, etc. tudo isso influencia ilusoriamente nos números. Seu argumento não é válido pois se baseia em ideias surreais, não faz sentido ligar coisas tão complexas e distantes sem sustentar com alguma fonte confiável ou lógica.
      Com tanta má vontade vai ser difícil ver um Nexus subsidiado no Brasil.

      1. @YanGM  @rafaelsmoreno Certamente há verdades no que todos dizem aqui! Faz muito sentido. Porém eu reflito. Não há que imaginarmos em VPL, TIR, Payback. Nada disso. Veja bem: não quero dizer que Rafael esteja errado. É meu ponto de vista. Particularmente acho que não é necessário pelo seguinte motivo: qual foi o investimento que o Google fez para disponibilizar a Play Store no Brasil? Agora é que começaram a disponibilizar livros e filmes. E antes? Era só um portal de apps castrado, baseado no americano.
         
        Como falou Yan, se o Google tivesse investido desde o começo em alternativas de cobrança o ticket médio aumentaria. Vejam bem: há quanto tempo várias empresas e as próprias operadoras não oferecem conteúdos para os clientes? Faz dez anos que vejo pessoas colocarem crédito em seus celulares pra comprar ringtones, jogos de baixa qualidade e outras besteiras. Vocês não acham que uma pessoa que compra um ringtone por R$ 3,00 não é um potencial cliente para a Play Store?
         
        Não quero dizer que a lucratividade vem só do Brasil. Da Europa também. Os aparelhos lá custam pouco menos que aqui. Os EUA são mercado formador de opinião. O que importa é o Google ganhar a guerra lá. Isso que importa. Não há preocupação em retorno nesse subsídio. O resto do mundo se alimenta das migalhas, pagando caro, sofrendo a falta de concorrência forte. Os aparelhos são vendidos praticamente em esquema de cartel.

        1. @brmoraiss  @rafaelsmoreno Bem colocado. Até mesmo o Canadá é jogado as traças pelo Google, não poderíamos esperar muita coisa para o Brasil.

      2. @YanGM  @brmoraiss Em momento algum quis insinuar que a iniciativa do Google tem a ver com as operadoras em si, e sim com o fato de que se as pessoas no brasil praticamente só utilizarem pré-pago (81% dos celulares no brasil são pré) e consequentemente não ter um plano de dados para ficar navegando na internet pelo cel. Se há ainda relativamente pouca gente usando internet no celular no brasil, pra quê subsidiar um aparelho esperando um lucro que não virá, já que o público ainda é pequeno e vai comprar um mega celular pra acessar internet por 50 cents por dia no tim net pré?

    2. @rafaelsmoreno  @YanGM  @brmoraiss Eu uso o TIM de 50 centavos e semana passada gastei 30 dilmas comprando “power ups” em um joguinho. Ahh, e todo mundo tem Wi-fi em casa.

      1. @Otavio  @YanGM  @brmoraiss  Todo mundo tem Wi-Fi em casa? Segue link com estatísticas variadas do setor de telecom no Brasil, inclusive uma que derruba bem seu último comentário: Número de acessos com banda larga a cada 100 habitantes, que em 2012 acabou o ano em 8,1! Toda casa tem Wi-Fi então? Claro que não, o país ainda é muito pobre, você está sendo simplista demais na sua análise, Octavio.

Deixe uma resposta para JanainaOliveira Cancelar resposta