Ecad suspende cobrança aos vídeos do YouTube e alega ‘erro operacional’

Poucas horas após o Google Brasil emitir uma nota pública sobre uma cobrança indevida do Ecad – que tentava cobrar direitos autorais de vídeos incorporados em sites/blogs – a entidade comunicou a imprensa de que o fato já estaria sendo reavaliado.

“O Ecad nunca teve a intenção de cercear a liberdade na internet, reconhecidamente um espaço voltado à informação, à difusão de músicas e demais obras criativas e à propagação de ideias. A instituição também não possui estratégia de cobrança de direitos autorais voltada a vídeos embedados”, menciona a nota pública de comunicação.


“Explica que, desde 29 de fevereiro, as cobranças de webcasting estavam sendo reavaliadas e que o caso noticiado nos últimos dias ocorreu antes disso. Mesmo assim, decorreu de um erro de interpretação operacional, que representa fato isolado no universo do segmento”.

A entidade também confirmou o acordo com o Google mas declara que existe a possibilidade “do Ecad fazer a cobrança das músicas provenientes de vídeos embedados desde que haja notificação prévia ao Google/Youtube”, algo que não teria acontecido, segundo o próprio escritório.

De acordo com Lauro Jardim, blogueiro da Revista Veja, a decisão de cobrar os vídeos do YouTube não contou com o apoio de nenhuma das grandes gravadoras instaladas no Brasil. “Elas já enviaram uma carta ao Ecad com essa unânime posição”, escreveu em seu blog.

Loading comments...