Google explica os motivos que levaram a grande interrupção no Gmail

gmail-betaComo muitos puderam notar (obrigado a todos que avisaram!) na tarde da última terça-feira, o Gmail, popular serviço de email administrado pelo Google, sofreu uma grande interrupção que durou quase duas horas e afetou as milhares de contas pessoais, além de derrubar as contas corporativas do Google Apps.

Em um post no blog oficial da empresa, Ben Treynor, vice-presidente de engenharia do Google, explicou que causa ocorreu após uma sobrecarga em cadeia durante uma manutenção de rotina. “Nós subestimamos a carga que algumas alterações recentes (alguns ironicamente destinados a melhorar a disponibilidade dos serviços) promoveriam nos roteadores de requisições – servidores que direcionam consultas ao apropriado servidor do Gmail para resposta”


“Por volta das 12h30, no horário do Pacífico, alguns roteadores ficaram altamente sobrecarregados e em efeito aplicou uma mensagem para o resto do sistema: ‘parem de enviar tráfego, estamos muito devagar!’. Esta transferência da carga para os demais roteadores tornou alguns outros também sobrecarregados, e em poucos minutos quase todos os roteadores existentes estavam em seus limites. Como resultado, as pessoas não podiam acessar o Gmail via interface web porque os seus pedidos não poderiam ser encaminhados para um servidor do Gmail” explicou.

A empresa informa também que tomará novas medidas para que falhas deste tipo não ocorram novamente. “Trabalharemos arduamente durante as próximas semanas para implementar melhorias de confiabilidade no Gmail – Gmail permanece com mais de 99,9% de disponibilidade para todos os utilizadores e nós estamos empenhados em manter eventos, como o ocorrido nesta terça-feira, notáveis por sua raridade”.

One Reply to “Google explica os motivos que levaram a grande interrupção no Gmail

  1. “Gmail permanece com mais de 99,9% de disponibilidade para todos os utilizadores”?

    Uai sô! 100 minutos corresponde a 0,3% de um Mês (fiz questão de calcular, hehe). Então, só em setembro restam 99,7% aproximados.

Comente!