DeepDyve: onde eles estão mergulhando?

A lista de prováveis futuros concorrentes do Google continua a crescer de tempos em tempos. Recentemente a start up DeepDyve tentou trazer a luz parte da chamada Hidden ou Deep Web (Web Invisível), uma significante e gigantesca parte da Web que não pode ser encontrada trivialmente através de máquinas de busca tradicionais. A empresa, em evidência nos últimos dias, foi criada em 2005 com o nome de Infovell e foco no mercado corportativo, mas tem mudado visando os usuários comuns.

Deep Web

O grande diferencial da Deepdyve é possuir em seus índices informação que outras máquinas de busca, não possuem ou não dão a devida importância. Segundo a Universidade de Berkeley na Califórnia, 98% da Internet não é alcançado pelos coletores das máquinas de busca tradicionais. O que é toda essa informação escondida? Em geral bancos de dados não acessíveis através de páginas HTML, ou que possuam necessidade de inscrição/pagamento. A DeepDyve começa a fornecer acesso fácil a diversas dessas bases de dados em algumas áreas, como:


  • Banco de dados sobre Medicina (MEDLINE, CRISP, Clinical Trials, PubMed Central, VAERS, The World Health Organization Model List of Essential Medicines)
  • Informações sobre Patentes (EUA e Europa)
  • Wikipedia
  • Artigos e periódicos científicos de diversas fontes

Na teoria, é uma ótima ideia, mas e a qualidade dos resultados? A impressão causada com alguns minutos de uso é que o sistema possui muita informação disponível, mas os resultados não parecem estar ordenados da melhor forma possível. Mesmo consultas triviais nos fazem ir para o final da página de resultados para achar o que procurarmos.

O snippets dos resultados (pequeno texto descrevendo o resultado) parecem apenas mostrar o começo da página de destino, não destacando as palavras da consulta, além de serem excessivamente longos. Tudo isso torna a tarefa de achar a informação desejada mais difícil.

Entretanto há algumas funcionalidades interessantes. O botão “Details”, dependendo da fonte da informação, pode mostrar dados interessantes. É possível também refinar sua consulta procurando por resultados semelhantes usando a funcionalidade “More Like This”, similar à funcionalidade presente no Google.

Por último, talvez a forma mais útil de usar o DeepDyve seja refinando a consulta com o botão “Refine”, restringindo a busca a apenas certos tópicos. Se quero procurar por patentes envolvendo o nome do Google, posso escolher procurar apenas nesta base de dados. Este tipo de busca pode ser muito útil se bem usado e com certeza você achará coisas que não encontraria em outro lugar.

O DeepDyve ainda mantém um lado para usuários corporativos ou que realmente querem extrair o máximo de suas consultas. O DeepDyve Pro oferece algumas funcionalidades que seriam bastante aproveitadas na versão para usuários comuns. Entre elas o agrupamento visual de resultados similares ou de mesmo assunto, além de outras formas de visualização dos resultados.

Talvez o DeepDyve ainda não esteja pronto para ser usado pelas massas, mas possui uma abordagem nova e definitivamente necessária à medida em que a quantidade e a necessidade por informação crescem na Internet. A versão paga mostra um pouquinho do que a start up ainda tem a mostrar. Vale a pena conferir os próximos passos nesse mergulho na Deep Web.

2 comments
  1. Steve Wozniak jamais entraria num projeto que não tivesse futuro. É bom o Google ficar de olho. :)

  2. Cara isso é jogada ensaida do Google: promovendo a empresa p/ depois comprar ela !
    Ora qual objetivo de exaltar TANTO uma concorrente DIRETA do Google ?!

    "Não dão ponto sem nó…"

You May Also Like