Depois de passado o prazo final, Microsoft deverá romper o silêncio. O que o futuro nos aguarda?

Microhoo logoNo último sábado, 26/04/2008, venceu o prazo dado pela Microsoft para que a diretoria da Yahoo! aceitasse a proposta de incorporação. Como o Renê já havia nos adiantado antes, o Journal publicou hoje que a nova proposta ainda não foi feita, mas deverá ser, em um valor aproximado de USD$ 33 por ação. A primeira foi de USD$ 31, tendo a MS ameaçado, durante o período, reduzir o valor. Além da própria resistência da diretoria da Yahoo!, deve-se levar em conta o ótimo resultado trimestral da empresa, que fez mudar todo o panorama do negócio. Agora, cada vez mais, parece ser possível à Yahoo! sobreviver a uma oferta hostil da MS.

Além do mais, ela ainda continua a negociar com a AOL/Time Warner, o que poderia salvar a identidade da empresa, ao contrário da proposta de incorporação feita pela Microsoft.


Outro fator que tem pesado na decisão foi o teste, que a Yahoo! fez com o serviço de propaganda da Google. Os resultados não foram publicados, mas ambas as partes ficaram satisfeitas. Certamente, as empresas estão estudando uma forma de ampliar esta parceria, sem que isto se gere vedações dos órgãos de defesa da concorrência, que, diga-se, já estão de olho nisso. Eu, particularmente, acho que o interesse das diretorias de Google e Yahoo! é apenas de transferir receitas temporárias para a segunda, de forma a permitir que a gigante de Sunnyvale sobreviva à crise econômica norte-americana, que, diga-se, não afetou as contas de Google e parece não estar afetando significativamente as contas das empresas de Internet. Afinal, mesmo que venham a responder um processo antitruste, se fizessem este acordo, tornariam inviável a compra por parte de Microsoft e ganhariam tempo e força financeira para permitir a independência da Yahoo. Assim, eu acredito que nem a Google e nem a diretoria da Yahoo estariam muito preocupadas com este processo antitruste, porque se manteriam alguns meses (talvez até um ano) com o acordo de publicidade e, quando a tsunami econômica passar, a Yahoo continuaria como empresa independente ou até como associada à AOL.

É de se lembrar um fato importante: os resultados da IAC, proprietária da Ask, mostram que a terceirização da propaganda à Google tem dado muitos lucros à empresa. Isto poderia sugerir que fazer o mesmo, poderia ser muito vantajosa à Yahoo!

Este panorama atual mostra que a Microsoft não tem outra saída que não aumentar o valor da oferta de USD$ 44,600 bilhões feita anteriormente. Há quem diga que a futura oferta poderá chegar a USD$ 53,200 bilhões ou até USD$ 57,500 bilhões. Este último valor representaria uma elevação da ordem de USD$ 12,900 bilhões para a oferta inicial e de USD$ 21,300 bilhões para o atual valor de mercado da Yahoo!

Uma nova oferta nestes valor certamente pressionaria muito Jerry Yong a aceitar o negócio. Por outro lado, não teria Steve Ballmer problemas com os seus próprios acionistas. Temo que sim. Eles poderiam achar o preço muito caro e o investimento, consequentemente, de difícil recuperação.

Consideremos que haja nova oferta, mas a diretoria da Yahoo! a rejeite. Poderia a Microsoft recorrer ao recurso da oferta hostil diretamente perante os acionistas, onde se espera que tenha Steve Ballmer e companhia maior aceitação, porque investidores costumam ter menos amor à empresa que os seus criadores. Esta hipótese é mais que viável. Acho até que a MS já deve estar procurando os acionistas em separado. Acontece que poderia a Jerry Yong conseguir segurar a reunião dos acionistas até o dia 12/07/2008, mais ou menos na data de entrega dos resultados financeiros do segundo trimestre. Seria muito difícil segurar a pressão até lá, diante de uma proposta de USD$ 57.500 bilhões ou até de USD$ 53.200 bilhões, mas não é impossível, porque eles têm alguns mecanismos estatutários a lhes permitir a manobra.

Se chegar até lá e os resultados forem muito positivos ou surgir no meio um acordo com a AOL, a MS terá perdido a batalha.

E não nos esqueçamos, mesmo que vença esta batalha e consiga que sua oferta seja aceita tanto pela Yahoo, como pelos seus próprios acionistas, a Microsoft ainda sofrerá um doloroso processo antitruste, que, certamente, atrasará em muitos meses o já difícil processo de integração de ambas as plataformas.

Mas não nos esqueçamos: a Microsoft ainda precisa desesperadamente comprar a Yahoo!

Diante de tantas dificuldades no horizonte, não podemos deixar de estudar um cenário, no qual a Microsoft, mesmo com aumento de oferta, com ataque direto aos acionistas, processo antitruste e muito mais, não consiga comprar a Yahoo. Qual seria o destino da gigante de Redmond?

Eu penso que já está provado que ela não conseguirá sobreviver no mercado de Internet sem adquirir concorrentes. No entanto, os únicos concorrente de peso no mercado são a Yahoo e a Google. Estando as duas fora do jogo, sobrariam apenas concorrentes menores. Vejamos:

  • Ask: é o quarto buscador dos EUA. Tem pequena participação no mercado, mas poderia entrar na mira da MS;
  • Baidu: é o maior da China. Tem muito potencial de crescimento naquele país e tenta criar asas em outros países da Ásia. Poderia se tornar alvo, principalmente se a MS comprar outra empresa nos EUA;
  • Amazon: não é bem um buscador. No entanto, em um processo de consolidação do mercado, poderia ser alvo da MS, ou até mesmo da Google, sendo que, neste último caso, se a MS comprar a Yahoo;
  • MySpace: mesma situação da Amazon;
  • Ebay: idem;
  • Facebook: idem.

Definitivamente, não. E em um estado de total desespero, a Microsoft poderia tentar comprar a Google? Por que não? Improvável? Sim. Impossível?Dinheiro ela tem.

Mas eu não apostaria o meu nesta possibilidade.

PS: se a Microsoft comprar a Yahoo, a Google terá que ir às compras. Dentro deste cenário, eu apostaria em Amazon, MySpace, Digg, Skype e empresas na China, Japão e Coréia do Sul. Mas isto já é assunto para outro post.

Update: Ballmer acaba de dizer que já considera a possibilidade de não conseguir comprar a Yahoo

One Reply to “Depois de passado o prazo final, Microsoft deverá romper o silêncio. O que o futuro nos aguarda?

Comente!