Leilão 3G Brasil: balanço

Terminou nesta quinta-feira o leilão de licenças para telefonia móvel de terceira geração no Brasil (3G Brasil). No final, as grandes operadoras garantiram sua participação em todo o território nacional. Assim, Vivo, TIM e Claro operarão em todo o território nacional, Brasil Telecom operará em sua área de atuação Centro-Sul e Oi na área Norte-Leste. A CTBC ficará com o residual, em sua área de atuação, no triângulo mineiro, sul de Goiás e parte do interior de São Paulo. Quanto à BrT e à Oi, já se fala que serão unidas em breve.

Os vencedores terão 2 anos para implantar toda a sua rede. Entretanto, já se fala no mercado, que nas cidades mais populosas, as redes 3G estarão em funcionamento em junho de 2008, o que reduzirá em muito o custo dos serviços de Internet.


O Ministério das Comunicações e a Anatel, animada com os preços do leilão, já fala em fazer em fazer outro leilão 3G, esse da chamada Banda H, ainda no primeiro semestre de 2008, no qual outros concorrentes poderão entrar. A Nextel, inclusive já declarou aos Jornais Valor Econômico e O Estado de São Paulo que participará do leilão da Banda H.

A grande surpresa (e também a grande decepção) do leilão foi justamente a Nextel, que, no primeiro dia, ofereceu lances bastante expressivos, o que elevou bastante os preços, mas, no final, não ficou com nenhuma concessão.

O mercado chegou a suspeitar (e isto foi publicado na grade imprensa) que havia um sócio oculto a estes lances visto que, juridicamente, como bem lembra o nosso leitor Douglas Gouveia, a Nextel Brasil (e também Nextel de vários países da América Latina) pertence à NII Holdings e não à Sprint/Nextel (e isto foi também publicado pelo Estadão) e poderia não ter suporte financeiro para fazer a operação.

Eu gostaria de dizer aos leitores que eu acredito em todas estas informações, inclusive que a Nextel Brasil não pertence de fato à Sprint/Nextel, mas certamente uma empresa é dona da marca e a outra está usando ilegalmente a marca da outra, aparentemente, sem nenhuma oposição. Vocês, já ouviram falar que uma processou a outra?

Mesmo assim eu acredito piamente que a Nextel (do Brasil e também de vários países da América Latina) nenhum vínculo de fato tem com a Sprint/Nextel.

Mas não tem problema. Afinal, eu acredito também em Papai Noel, Saci Pererê e em Mula-sem-Cabeça.

4 Replies to “Leilão 3G Brasil: balanço

  1. Não sabia que a NII Holdings já havia sido processada pela Nextel mas em todo caso uma tem parceria com a outra, já que há um acordo operacional para a chamada conexão direta (O rádio).

  2. Corrigindo a informação. A NII Holdings tem apenas a licença de uso da marca e acordo de operação para o caso da conexão direta. Ela não tem nenhuma relação com a Sprint/Nextel.

  3. Aqui em Recife já existe rede 3G funcionando com uma velocidade razoável, o problema é que está caro porque por enquanto só a Claro oferece esse serviço. Eu esotu esperando avidamente pela concorrência, que deverá diminuir os preços e melhorar a qualidade do serviço.

  4. Raphael,
    Só para esclarecer. A NII comprou os direitos sobre o nome e o serviço NEXTEL em toda a América Latina. A Nextel “doméstica” Norte Americana, hoje da Sprint, não tem nada a ver portanto com a Nextel do Brasil, Argentina, Chile, Peru e México.

Comente!