Tipos de consulta em uma Máquina de Busca

Todos os dias fazemos consultas nas nossas máquinas de buscas favoritas (err… Google), cada uma dessas consultas pode ser classificada em 3 tipos principais: navegacional, informacional e transacional. Estas classes identificam a “intenção” do usuário na hora de digitar os termos na caixa de busca.

Na navegacional, você faz uma busca procurando um site específico que você já conhece ou acha que existe. Se eu procurar por “Google Discovery”, é por que quero achar este blog. O mesmo ocorre se eu buscar por “Lojas Americanas”.


Uma consulta informacional acontece quando o usuário quer saber mais sobre uma determinada coisa ou assunto. Se eu pesquisar por “maquinas de busca”, provavelmente quero saber mais sobre o assunto. Ou se eu quiser saber mais sobre a última aquisição do Google posso procurar por “Google compra empresa”.

Por fim, a transacional ocorre quando você está procurando um ou mais sites nos quais você vai utilizar algum serviço ou executar alguma interação. Se eu quiser comprar um iPhone desbloqueado baratinho, posso buscar por “iPhone desbloqueado promoção”. Você vai procurar nos resultados algum site onde você possa comprar o que deseja. Veja que neste tipo de consulta, não importa qual o site. Importa apenas que ele tenha o serviço desejado.

Alguém pode ter pensado, será que estas informações podem ajudar a melhorar a relevância das respostas? Com certeza! Na verdade, é bem provavel que Google e outras grandes máquinas de busca já tenham algoritmos atuando nesta área. A partir de uma consulta do usuário, o sistema tenta “advinhar” que tipo de consulta se trata e aplica um algoritmo de ordenação de resultados diferente em cada caso. Se eu procurar por “Amazon”, por exemplo, ele deve ativar o algoritmo para consultas navegacionais e então privilegiar sites que possuem os termos da pesquisa, basicamente, na URL. Note que para este tipo de consulta o conteúdo das páginas é praticamente irrelevante.

Infelizmente as coisas não são triviais assim. Classificar uma consulta em tipos é muito difícil. Primeiramente, para um humano isso já é díficil. Tente classificar uma busca como “mp3”. A pessoa pode estar procurando por mp3s para baixar (transacional), pode querer saber sobre o significado da sigla (informacional), ou pode querer achar o site mp3.com (navegacional). Além disto, estas são as categorias principais que podem derivar muitas outras mais específicas (saúde, educacional…) tornando o processo de classificação mais complexo.

No final das contas, utilizar este tipo de informação pode aumentar muito a relevância dos resultados e a satisfação do usuário. Não é a toa que esta é uma área de grande interesse das máquinas de busca.

Comente!