Google convida brasileiro para estágio nos EUA

Bruno Martins Stuani, 20 anos, programador Sênior da Faculdade de Medicina do ABC, foi convidado para fazer um estágio de três meses na empresa Google Inc. em Seattle nos EUA.

O convite da empresa surgiu após desenvolvimento do projeto Google Talk Plugin / GT-Plug, que permite a adição de recursos ao produto oficial Google Talk. Stuani é o primeiro no mundo a desenvolver plugins para o programa.


GT-Plug é o primeiro plugin já desenvolvido para o Google Talk. Ele adiciona recursos interessantes ao mensageiro do Google.

Via: Repórter Diário

15 Replies to “Google convida brasileiro para estágio nos EUA

  1. Isso é boa notícia? Apenas para ele.

    O Brasil já tem escassez de bons profissionais de informática, e ainda por cima os poucos bons vão embora. Infelizmente o mundo é uma ditadura econômica e jamais sairemos do buraco sem uma revolução.

  2. Puts Marco,

    Esta noticia é boa para todos, as grandes empresas estão buscando profissionais, onde estamos, ver isso como um ponto negativo é no minimo olhar para o proprio umbigo de olhos fechados…

  3. Marco,

    Não veja a notícia deste modo e sim que grandes empresas estão de olho nos bons profissionais. É uma satisfação saber que alguém ou alguma empresa pode estar de olho neste momento em seu trabalho.

    —–

    Otávio,

    Concordo completamente com você pois este é uma grande incentivo para aquele profissional que está pensando em começar um projeto.

    Abraços!

  4. Sim, é bom para cada um de nossos umbigos que tenhamos possibilidade de ir para um país melhor, mas o sentido que quis dizer é que é ruim para o Brasil, que é muito maior que nossos umbigos, e portanto é triste que toda uma nação formada por 180 milhões de pessoas vá continuar excluída e no atraso por muito tempo ainda, isso ninguém pode negar.

  5. Esse camarada vai gerar produto e dinheiro para os americanos (além de para ele próprio), não para o nosso país. É muito simples entender meu posicionamento. A não ser que não se queira.

    Portanto para o país Brasil (não para os poucos brasileiros que tem sorte de ter um bom estudo e acesso a instrumentos) é sim uma triste notíci, e penso que devíamos sim refletir em uma maneira de mudar essa realidade. Não devemos trabalhar apenas pelos nossos umbigos, mas sim TAMBEM pensando em 180 milhões de habitantes que diante dessa evasão dos bons profissionais tem muito a perder.

    Quem será que está pensando apenas no próprio umbigo?

  6. “Não veja a notícia deste modo e sim que grandes empresas estão de olho nos bons profissionais. É uma satisfação saber que alguém ou alguma empresa pode estar de olho neste momento em seu trabalho.”

    Infelizmente o mundo ainda é muito dividido em países, e não só entre profissionais e empresas. A prova disso é que os EUA fecham suas fronteiras veementemente para nós até hoje. Esses “muros da vergonha” ainda não foram derrubados. Enquanto não reconhecermos que eles estão nos explorando vamos continuar excluídos e atrasados como nação, e nação não é só a gente que tem sorte de ter tido acesso às coisas.

    Enfim. Sei que eles nos dominam inclusive culturalmente e por esse motivo não adianta muito falar, mas me sinto tendo feito a minha pequena parte aqui neste post, e fico com a esperança de gerar reflexões ao menos naqueles que ainda não foram tão “abduzidos” culturalmente por essa, por assim corretamente dizer, ditadura a nível mundial que é exercida pelo pessoal do norte.

    Se fosse eu meu caro, nem pensava duas vezes para ir pra lá, mas que tem esse outro lado da moeda, tem sim.

  7. Não vejo isso como sendo algo ruim para nosso país. É a partir desses pequenos fatos que todos os outros países reconhecem o Brasil como sendo uma potência de profissionais dessa área (programação), o que gera mais investimento para a área de ensino e informática no Brasil.

  8. Eu gostei e gostaria de estar no lugar dele…

    trabalhar no Google no núcleo de desenvolvimento deve ser fantástico :)

    PS: Marco, entendo o seu ponto de vista e realmente, é chato perder bons profissionais, mas acho que o capitalismo neste ponto é bem justo. Se não fosse uma boa opção para ele, ele não aceitaria a proposta. Pense no lado bom, esse cara vende nossa imagem lá fora e consolida indiretamente a boa imagem de nossas empresas e profissionais. Cada brasileiro que ganha boa visibilidade soma pontos ao Brasil e aos brasileiros.

  9. Cara, eu entendo a opinião do Marco, tanto que quando estava estudando Ciência da Computação, sempre discutiamos assusnto do tipo; Você estuda muito aprende a fazer uns programas maneiros e ai você entra em uma Microsoft da vida, ou seja, você muito mais dá dinheiro para os americando que para si mesmo, sabendo que você trabalho 8 horas no mínimo por dia e os “chefôes” ganham bilhões em cima de você e você fica com quanto? 0,00001% do lucro da empresa?
    Está certo quetrabalhando na Microsoft, Google, Oracle entre outras você está sendo muito valioso e “respeitado”, tendo a chance de ir na Matriz da empres que muitas são no Vale do Silício, e ganha experiência e muito mais. Mas acho que devemos não querer trabalhar para empresas que pagam “merrecas” sendo que você sozinho pode ganhar muito mais que empresas te contratam.
    No Brasil temos profissionais muito capacitados, e os poucos que se salvam, com o inglês conseguem um “bom emprego” na Microsoft. E está certo que essa notícia é muito boa, mas não que o mundo não tenha olhos para os profissionais do Brasil, muito pelo contrário, as multi-nacionais valorixzam os profissionais daqui, mas é muito diícil de achar os ótimos. Por isso que não sabemos o quanto nós temos profissionais capacitados, e tem outra, não é só estudar, nesse país se você quer ser reconhecido você tem que gastar muito, só pelo fato que muitas empresas que contratam desenvolvedores estão quase exigindo uma certificação da Sun, e quanto custa uma certificação da Sun?
    Agora veja, a Google contratou para estágio o Brasileiro do mesmo modo que contratou as outras centenas de pessoas daqui no Brasil para trabalharem tanto em São Paulo como em BH.

  10. Nada é mais que reconhecimento, ou seja, aqui tem profissionais ótimos, agora pense se cada um desse ótimos profissionais tivessem uma idéia inovadora a ponto de concorrer com as grandes empresas? Isso seria um caos para a Google se o Bruno Martins criasse um buscador muito melhor no papel que o Google. E tem muitos profissionais do Brasil que vai para fora, só que não divulgam muito, veja a própria IBM, a cada ano vão várias pessoas para Boston para trabalhar lá na Matriz. As empresas de fora sabem como são os profissionais daqui e não é de hoje, são de anos atrás que pegam gente daqui para trabalhar fora

  11. Vale lembra que ele apenas vai fazer um estágio por lá (quem sabe fique!?), por isso acho válido quando as empresas levam algum brasileiro para fora. A cara vai aprender muita coisa podemos ter certeza disso.

  12. Concordo com o Marco… o cara tava estudando em uma universidade federal com o recurso do povo… agora ele pega todo o conhecimento que o povo pagou para ele adquirir e poduz recursos para os Estados Unidos… Por que será que o país é uma bosta?!

  13. Ainda prefiro as posições mais otimistas com relação ao assunto tratado. Precisamos entender que estamos em um mundo globalizado e que respeitar tal condição é a melhor maneira de trazer maiores benefícios para a nossa nação. Além disso, em nenhum momento descarão o fato de que um estágio deste tipo pode aprimorar um profissional que, mais tarde aqui no Brasil, transmitirá os conhecimentos que adquiriu no exterior. Esta visão romântica partir em defesa de quem não pediu ajuda é patética.
    Como cidadão brasileiro ele tem direito a faculdade pública. Com certeza se submeteu a um processo seletivo bastante rigoroso e paga altíssimos impostos para manter a 'máquina' funcionando. Qual a razão de tanta indignação?
    Saibam que devido ao exemplo de grandes brasileiros a imagem de nosso país vem sendo restaurada e há muito deixamos de ser 'bunda'.
    Amadureçam…

Comente!