ÚLTIMOS ARTIGOS

Google é a 5ª maior empresa dos Estados Unidos

Por em 1 de novembro de 2007 – 11:40

Google logoÉ isto mesmo! Veja o quadro, segundo a cotação de ontem, às 8:48 da manhã, hora de Nova Yorque:

1. Exxon Mobil: USD$ 505 Bi

2. General Electric: USD$ 415 Bi

3. Microsoft: USD$ 333 Bi

4. AT&T: USD$ 251 Bi

5. Google: USD$ 217 Bi

6. Procter & Gamble: USD$ 215 Bi

8. Bank of America: USD$ 213 Bi

9. Citigroup: USD$ 209 Bi

Nos links, as cotações em tempo real.

Fontes: Battellemedia e Silicon Alley Insider

Reina a paz entre Google e Verizon?

Por em 1 de novembro de 2007 – 10:09

Verizon Wireless logoGoogle - LogoEm 03/10/2007, um post do Blog de Políticas Públicas da Google criticou publica e fortemente a Verizon, a maior empresa de telefonia móvel dos EUA. O texto citado afirma que, no mês de julho, as empresas de Internet conseguiram do FCC (agência reguladora americana de telecomunicações) que o leilão do espectro de 700 Mhz (o das TVs convencionais, que será devolvido e convertido em banda de telefonia móvel e Web) adotasse padrões abertos. Esta medida contraria interesses das grandes empresas de telefonia e atende a interesses das empresas de Internet, principalmente, Google, Microsoft e Yahoo!

Ainda segundo o post citado, a Verizon teria agido contra as normas legais do lobby norte-americano (nos EUA o lobby é uma profissão e uma atividade legais e regulamentadas, com regras rígidas de prática), com vistas a mudar esta regra.

Termina a Google por dizer que continuaria a estudar a possibilidade de vir a participar do leilão, que ocorrerá em 24/01/2008. De qualquer forma, saberemos se isto vai acontecer, em, aproximadamente, 16/11/2007, quando termina o prazo de inscrição para o seminário, que funciona como pré-seleção para o leilão de janeiro.

De qualquer forma, alguma coisa parece ter mudado na relação entre estas empresas. Afinal, nos últimos dias, vários jornais estão reportando conversas adiantadas entre elas, para que a Verizon adote o gPhone. Além disso, o Engadget, citando o The New York Times, disse que a Verizon teriam desistido de seu pedido, com vistas a obrigar a agencia reguladora americana de telecomunicações (FCC) a mudar as regras do leilão, para evitar os padrões abertos, o que, sem dúvida, agradaria à Google.

Parece fazer sentido.

iGoogle ganha anúncio no YouTube

Por em 31 de outubro de 2007 – 23:22

Interessante anúncio criado pelo Google para promover o produto iGoogle no YouTube:


Segundo o blog gSpy, a mensagem final significa “Crie sua homepage no iGoogle! Agora mesmo!”.

Comentários (0) Categorias: Google

Google pode conectar Gmail Chat a outras redes de mensagens instantâneas

Por em 31 de outubro de 2007 – 22:33

Após acelerar o contador de armazenamento, ganhar suporte a IMAP e uma nova versão com performance otimizada, o Gmail ainda pode surpreender com uma nova funcionalidade descoberta pelo Ionut do blog Google Operating System.

Segundo o blogueiro, ao analisar o código fonte da recente versão do Gmail 2.0, é possível encontrar vestígios de possíveis implementações de funcionalidades muito requisitadas pelos usuários do produto.

Entre as novidades que podem ser disponibilizadas a qualquer momento estão:

* marcadores coloridos

* descolar mensagens de uma conversação

* Jabber transports (este poderia ser usado para que as pessoas possam se conectar a redes de mensagens instantaneas como Yahoo, MSN, AIM). Atualmente é possível connectar o Google Talk com outras redes de mensagens instantâneas, mas você precisa utilizar um servidor de terceiros ou um outro cliente de mensagens instantâneas para configurar o transports. Ao possibilitar que as pessoas possam conectar a outras redes, que são mais populares que o Google Talk, isto permitiria que o comunicador de mensagens instantâneas do Google tornar-se mais útil.

Abaixo, parte do código extraido do JavaScript do Gmail:

Algo muito interessante é que o novo gerenciador de contatos do Gmail permite que você adicione nomes de usuários de diversas redes de mensagens instantâneas:

Comentários (2) Categorias: Google

Ações do Google superam a marca dos US$ 700 na Nasdaq

Por em 31 de outubro de 2007 – 22:31

De acordo com informações da agencia EFE, as ações do Google superaram nesta quarta-feira, 31, os US$ 700 por título no mercado do Nasdaq em Nova York, após informações que a empresa estaria em negociações com a Verizon Wireless e a Sprint, e que poderia vir a competir com as redes sociais Facebook e MySpace.

As ações do Google chegaram a US$ 701,47 e, meia hora depois da abertura do Nasdaq, subiam US$ 4,68 (0,67%), para US$ 699,45 por título.

Agradecimento ao Pires pela dica!

Comentários (0) Categorias: Google

Atraso no pagamento do Google AdSense?

Por em 31 de outubro de 2007 – 21:20

Muitos editores de sites notaram um atraso em relação aos pagamentos mensais do Google AdSense, segundo Carlos Cardoso em seu blog Contraditorium, o motivo do atraso se deve a rebeldia de alguns blogs que ousaram questionar seus desígnios. Já imaginou? Apesar da brincadeira o motivo ainda não pode ser descoberto.

Segundo diversos blogueiros, o pagamento(TEF) referente ao mês de Setembro foi efetuado no último dia 25 outubro mas ainda não é possível resgata-lo. Caso você esteja passando pelo mesmo problema, entre em contato com o suporte do Google AdSense para mais informações e possíveis motivos que podem ter levado a este atraso.

Google negocia acordo com operadoras para lançamento do Gphone

Por em 31 de outubro de 2007 – 16:38

Se tudo correr bem, poderemos finalmente ver o Gphone em meados do próximo ano. O Google está negociando com operadoras sem fio da Europa, incluindo a Verizon, Sprint, T – Mobile, (Vodafone e internacionalmente) para tornar realidade o Gphone, relata o WSJ.

Google já concorre (e colabora), com algumas dessas operadoras. Ela[Google] recentemente entrou em conflito com a Verizon, por exemplo, sobre as regras dos leilões de espectro de 700 Mhz enquanto ela está participando em conjunto com Sprint, em sua próxima rede Wimax. A única operadora que até agora não foi mencionada é a AT&T, que possui acordo de exclusividade com o iPhone da Apple.

Quando o Gphone nascer, não haverá apenas um Gphone, mas muitos. Nas próximas duas semanas, o Google deve anunciar novos softwares e serviços que poderão ser usados para construir celulares personalizados com seus produtos e funcionalidades.” Assim como no da rede social, o Google pretende tornar os celulares uma plataforma aberta para que os desenvolvedores possam construir aplicações com maior facilidade. Com isso, podemos visualizar em breve uma “guerra da plataforma móvel 2,0″ entre o Gphone, o iPhone, Windows Mobile e Ovi da Nokia.

Fonte: TechCrunch

Comentários (0) Categorias: Google

Nokia Nseries Revolution #2

Por em 31 de outubro de 2007 – 10:42


A transmissão do evento segue sem interrupções, uma palestra neste momento aborda as empresas atuais de internet e seus objetivos. Segundo a palestra, as empresas criadoras de games estão trabalhando atualmente para suprir o mercado móvel que apresenta uma grande capacidade de crescimento.

Entre as empresas que estão se preparando ou atualmente desenvolvendo games móveis estão a Gameloft, Capcom, EA, entre outras. A Nokia, como não poderia deixar, está ligada no mercado e já possui grandes parcerias.

Google Discovery participa do Nokia Nseries Revolution

Por em 31 de outubro de 2007 – 10:27


O Google Discovery está participando neste momento do evento virtual Nokia Nseries Revolution, o evento irá abordará discussões sobre web 2.0, tecnologia, celulares e internet móvel.

Segundo o release do evento, os blogueiros participantes poderão participar de um quiz onde o vencedor com a maior pontuação ganhará um Nokia N95.

Acompanhe em tempo real também no blog da Samantha Azevedo.

Google OpenSocial pode ser lançado nesta quinta

Por em 31 de outubro de 2007 – 8:54

O novo projeto, chamado OpenSocial (as URLs serão publicados na quinta-feira), vai muito além daquilo que já foi anteriormente relatados. Trata-se de um conjunto comum de APIs que permitirão aos desenvolvedores criar aplicações que funcionem em qualquer redes sociais, que optarem por participar.

Quanto mais plataformas são lançadas, os desenvolvedores têm escolhas difíceis a fazer. Existem custos associados à manutenção e escrever aplicações para estas redes sociais.  A maior parte dos desenvolvedores irá escolher uma ou duas plataformas e ignorar o resto, com base em uma simples análise custo / benefício.

Google pretende criar uma maneira fácil para os desenvolvedores a criar um aplicativo que funciona em todas as redes sociais. E eles eles estarão no centro de controle da rede.

O que eles estão lançando

OpenSocial é um conjunto de três APIs comuns, definido pelo Google com a contribuição de parceiros, que permitem aos desenvolvedores de acesso às informações e funções principais das redes sociais:

  • Perfil da Informação (dados de usuários)
  • Informação sobre amigos (gráfico social)
  • Atividades (coisas que acontecem, Notícias, Feeds, tipos de coisas)

As redes sociais parceiras concordaram em aceitar as chamadas API com retorno adequado dos dados.  O Google não vai tentar fornecer uma cobertura com APIs universais em casos especiais de utilização, em vez disso terá como foco os usos mais comuns. Funções / dados especializados podem ser acessados a partir dos parceiros diretamente através dos seus próprios APIs.

Diferentemente do Facebook, a OpenSocial não tem sua própria linguagem de marcação (Facebook requer uso de FBML por razões de segurança, mas que também faz código ser inutilizável fora do Facebook). Em vez disso, desenvolvedores poderão utilizar Javascript e html normais (e pode incorporar elementos Flash).  O benefício da abordagem do Google é que os desenvolvedores podem usar muitos dos seus códigos atuais e precisará apenas ajusta-los para a OpenSocial, criando assim uma plataforma de desenvolvimento até mais fácil do que no Facebook.

Entre as redes sociais parceiras estão Orkut, Salesforce, LinkedIn, Ning, Hi5, Plaxo, Friendster, Viadeo e Oracle. Entre os desenvolvedores incluem Flixster, iLike, RockYou e Slide.

Leia mais: Google abre suas redes sociais aos desenvolvedores externos

Fonte: TechCrunch