ÚLTIMOS ARTIGOS

Google Transit ganha publicidade

Por em 6 de novembro de 2007 – 12:42


Publicidade criada especialmente para o produto Google Transit em parceria com a empresa TransLink e foi produzida pela agência Grey Vancouver Canada. Clique na imagem para amplia-la.

Agradecimentos ao Haendel Dantas pela dica!

Comentários (0) Categorias: Google

Google China apresenta homepage alternativa

Por em 6 de novembro de 2007 – 9:07


Google China apresentou ontem um novo protótipo de homepage através do endereço google.cn/hp?sp=china. Pelo que é possível analisar, este novo layout lembra as complexas homepages utilizadas por portais como o Yahoo! e exibe uma grande gama de conteúdo aos visitantes.

Segundo informações, este protótipo é apenas um “test-drive” mas não deve substituir a homepage padrão(e simples) em Google.cn.

Comentários (2) Categorias: Google

iGoogle irá ganhar novos Temas

Por em 6 de novembro de 2007 – 8:39

O blog Google Blogoscoped reportou hoje que o iGoogle, homepage personalizada do Google, deve adicionar em breve novos Temas e você pode testar as novidades visuais através das instruções abaixo.

  1. Visite www.google.com/ig.
  2. Clique no link do Tema Selecionado.
  3. Digite a seguinte informação na barra de endereços do seu navegador:javascript:_dlsetp('preview_skin=skins/jr.xml');Onde você visualiza jr.xml pode ser substituido por algum destes novos Temas:
  4. Clique no botão Save.

Prévia dos Temas

Planets


Autumn


Hong Kong


J.R.


Aja Tiger

Imagens: Google Operating System

Comentários (4) Categorias: Google

HTC anuncia sua versão do gPhone

Por em 6 de novembro de 2007 – 8:12

GPhone

Com já havíamos adiantado aqui, a fabricante taiwanesa de smartphones HTC, que ontem foi confirmada como uma das parceiras da Open Handset Alliance, anunciou que lançará seu primeiro celular com Android, ou seja, seu primeiro gPhone, no segundo semestre de 2008.

Veja a reportagem completa no IDG Now

Afinal, teremos ou não teremos um gPhone?

Por em 5 de novembro de 2007 – 23:30

GPhone

Um só não. Vários. Talvez, muitos modelos de gPhone.

Você pode me perguntar: como teremos vários, talvez muitos modelos de gPhone, se o próprio site oficial da Google negou estar anunciando o gPhone?

A resposta é simples e pode ser respondida com a simples leitura mais atenta do comunicado de Andy Rubin, o “pai” da plataforma Android, o que foi apresentado à grande mídia e aos investidores internacionais. Esta plataforma, cuja demonstração já era esperada por todos, é um sistema operacional para celulares baseado em Linux, além de aplicativos, interfaces de usuário e também um navegador próprio (eu esperava que usassem o Firefox Mobile).

Até aí, nenhuma novidade.

A Google apresentou também a Open Handset Alliance, na prática um grupo de parceiro, que compartilharão a plataforma Android e poderão, por meio de uma licença open source, desenvolver seus próprios aplicativos para a telefonia celular. Fica difícil não fazer um paralelo com o OpenSocial e houve até quem perguntasse a Eric Schmidt, se haveria uma sobreposição ou integração entre estas plataforma, mas eles fugiram a uma resposta direta.

Aqui, surgiu a primeira surpresa do dia. Não pela existência em si da aliança, porque já há vários dias se sabia que a Google estava conversando com fabricantes de aparelhos e com companhias telefônicas. A surpresa foi sim pela quantidade e diversidade regional de empresas associadas, o que mostra que a estratégia Android (eu ainda prefiro gPhone), já nasceu forte. Sabia-se, por exemplo, que a HTC era presença certa e que a LG corria por fora. Não se falava, por exemplo, pelo menos constantemente, na Samsumg. Sabia-se que a Sprint estaria, com certeza e que a China Telecom, por ser associada à Google na China, poderia entrar, mas não se falava, por exemplo, na Telefônica ou na Telecom Italia, o que, para nós brasileiros, diga-se de passagem, é uma boa notícia, porque, provavelmente, teríamos Androids/gPhones vendidos pela Vivo (Telefonica) e pela TIM (Telecom Italia).

Outra surpresa, pelo menos para mim, foi que a gama de empresas de telefonia associadas abrange quase todos os continentes (inclusive África). Somente não encontrei, mas pode haver operadora da Oceania. Vale lembrar que a África é muito importante nesta estratégia e ainda pretendo escrever um post especial sobre a Web no continente de onde todos viemos.

Outra surpresa do dia e esta bastante intrigante, foi a presença da eBay na aliança. É sabido que ela é proprietária do Skype (que, aliás, anda com problemas de pouco faturamento). O Skype lançou um celular com botão para o Skype. Será que haveria um modelo de gPhone com o botão Skype, para usarmos como telefone IP? Não seria má idéia, seria?

A grande surpresa do dia (e talvez o anticlímax) foi o fato de que nenhum aparelho celular com o Android embutido foi apresentado e estavam todos babando para ver.

Mas isto é motivo para crermos que não haverá um gPhone?

Estou cada vez mais convencido de que não. Afinal, a Google não é uma empresa especializada em vender hardware (como a Apple) e, curiosamente, nem software, como a Microsoft, mas essencialmente uma empresa de mídia. Está cada vez mais claro que o foco dela não é vender os aparelhos e, espantem-se, nem mesmo o Android, mas a publicidade, que veiculará pelos aparelhos celulares com o Android embutido.

E é isto que pouca gente está vendo. A estratégia da Google para a telefonia celular e, particularmente, o Android é muito mais que um simples sistema operacional. Em verdade, pretende ser uma verdadeira ruptura no mercado de telefonia celular de todo o mundo.

Siga o meu raciocínio: toda a telefonia celular no mundo é baseada em empresas fornecedoras de serviços de telefonia, que vendem aparelhos (geralmente bloqueados), com softwares de código fechado e recebem pelo serviço prestado. A Google está caminhando para, com a estratégia Android (ainda não me esqueço do gPhone), fazer com que as empresas de telefonia forneçam smartphones com sistemas de código aberto e aplicativos de ampla pesquisa a produtos Google, talvez até sendo obrigadas a desbloquear os aparelhos. Dentro desta estratégia poderá estar embutida a idéia de remuneração dos serviços da operadora de telefonia, no todo ou em parte, pela publicidade gerada nas pesquisas feitas. Esta parte ainda não está totalmente aberta aos consumidores e à grande imprensa, mas parece se afigurar em um futuro de médio prazo.

É por isso que o anúncio feito hoje é muito mais importante do que desejou parecer e somente deixou transparecer nas entrelinhas.

Havendo vários fabricantes de smartphones associados (HTC, LG, Samsumg e Motorola), certamente todos terão seus gPhones, cada um com seu hardware próprio, mas com um conjunto de softwares comuns, porque concorrentes-parceiros.

Por isso, eu afirmo sem medo: haverá vários gPhones.

Mas, pergunta-se: haverá um gPhone, que tenha esta marca ou a marca Google?

Há algumas versões para esta resposta. O IDG Now publicou que Eric Schmidt não teria descartado esta possibilidade, mas também não a confirmado. Já a Forbes sugere ao contrário.

Nada disso, entretanto, é importante, se para a Apple o que importava no iPhone era o próprio aparelho em si, para a Google, o que importa é o Android dentro do aparelho. Assim, todo aparelho celular com o Android como sistema operacional, tendo ou não a marca gPhone, será um gPhone, porque terá a sua essência.

Leia também: Direto de Wall Street: o gPhone poderá ser revelado nesta segunda-feira

Google anuncia criação de software para celulares

Por em 5 de novembro de 2007 – 15:40

O Google confirmou hoje o desenvolvimento de um pacote de software gratuito para celulares. A empresa tem como objetivo levar os seus serviços aos usuários desses aparelhos, sem a necessidade de estar em frente à um computador.

De acordo com a Folha Online, “O Google não fabricará celulares, nem planeja estampar sua marca nos aparelhos. Em vez disso, vai trabalhar com fabricantes que concordarem em usar o sistema nos celulares. Os consumidores terão de comprar um aparelho novo para ter acesso ao software, porque o pacote não foi desenvolvido para produtos já existentes no mercado”.

Já são 34 empresas que aderiram à plataforma, inclusive Motorola, LG, HTC e Samsung. Entre as operadoras nos Estados Unidos estão a Nextel e T-Mobile. No exterior, estão China Mobile, Telefônica e Telecom Itália Mobile (TIM). Programadores poderão criar aplicações para o software do Google, aumentando a quantidade de aplicativos disponíveis.

Os engenheiros da gigante de MountainView estão trabalhando no projeto há três anos, através de uma empresa chamada Android Inc. adquirida pelo Google em 2005.

Com esta notícia os rumores sobre a criação do “Google Phone” provavelmente estão descartados. Os primeiros celulares com o pacote do Google estarão disponíveis no segundo semestre de 2008.

Via: Folha Online, G1 e TechCrunch.

Microsoft lança aplicativo concorrente ao Google Gears

Por em 5 de novembro de 2007 – 8:46

Microsoft lançou uma nova tecnologia que permitirá aos desenvolvedores criaren versões off-line de aplicações web. Microsoft publicou um link que permite fazer download do Microsoft Sync Framework neste último domingo.

Aparentemente parece ser uma resposta da Microsoft ao Google Gears, uma plataforma de sincronização de dados online/offline sincronização dos dados lançada pelo Google no início deste ano.

De acordo com o site que fornece o download, o aplicativo Microsoft Sync Framework permitirá “colaboração e cenários offline  de aplicações, serviços e dispositivos.” Isso inclui sincronização P2P de banco de dados relacionados, sistemas de arquivos FAT/NTFS e todo o tipo de dados desde músicas, vídeos, e configurações do usuário.

Google Video começa a indexar vídeos pela internet

Por em 5 de novembro de 2007 – 8:17

O produto Google Vídeo voltou a dar novos sinais que realmente deve se transformar em um sistema especializado para buscas de vídeos, segundo o blog Google Operating System, o serviço começou a indexar vídeos pela internet e não mais só aqueles hospedados por sites como YouTube ou Metacafe.

Infelizmente, o Google não demonstra sinais que irá converter os vídeos de AVI, WMV, MOV ou MPEG para FLV dificultando a execução online, o motivo aparentemente seria a ilegalidade ao hospedar conteúdos sem permissão. Em vez disso, o Google cria links diretamente para os vídeos, mas não menciona uma lista de páginas que poderão oferecer uma informação contextual ou mesmo caso os vídeos não possam ser executados em seus formatos padrões.

Por enquanto, o Google Vídeo ainda não apresenta muitos vídeos não-flash em seu índice. Vídeos de sites educativos e da NASA parecem ter prioridade.

Comentários (1) Categorias: Google

Veja como ativar o Google Analytics Site Search

Por em 5 de novembro de 2007 – 7:59


Agora você pode efetuar login em sua conta do Google Analytics para ativar a nova funcionalidade Site Search para monitorar as palavras chaves que seus visitantes costumam utiliza em sua busca interna. Os dados não serão exibidos imediatamente, mas aparecem aparentemente após algum tempo. Veja como ativa-lo:

1. (Primeiro você precisa ter certeza de que você tem algum tipo de mecanismo de busca para seu site; e também, você Deve ter o script do Google Analytics em suas páginas.)
2. Acesse o Google Analytics
3. Próximo ao seu site, clique em Editar
4. No perfil do site, clique em Editar novamente (no canto superior direito)
5. Na página de configurações ative a opção “Do Track Site Search”
6. No opção “Query Parameter” digite por exemplo “Q” (sem as aspas), quando a sua consulta parâmetro é q, caso sua consulta funcione deste modo: http://example.com/search.php?q=google+discovery
7. Clique no botão Salvar alterações
8. Repita o procedimento para todos os seus site

Fonte: Google Blogoscoped

Descubra o novo Orkut Sandbox! (exclusivo)

Por em 4 de novembro de 2007 – 12:54

Para criar uma maior rivalidade com o Facebook e tornar as redes sociais ainda “mais sociais”, o Google desenvolveu uma plataforma chamada OpenSocial na qual permite aos desenvolvedores criarem aplicações tornando as redes de relacionamentos um ambiente altamente interativo e social.

O Orkut recentemente abriu um número limitado de vagas para que desenvolvedores possam dar inicio a criação de aplicativos para a plataforma, o blog Google Discovery obteve acesso irrestrito ao Orkut Sandbox e podermos analisar e testar as possíveis novidades que podem vir a serem implementadas no Orkut em breve.

Através do menu “aplications” é possível gerenciar e adicionar aplicações ao seu perfil, novas aplicações podem ser adicionadas acessando o diretório de aplicações pelo botão “Browse the application directory” ou mesmo inserindo o endereço de aplicações externas no campo correspondente.

No diretório de aplicações é possível encontrar atualmente 5 aplicações disponíveis para serem adicionada ao seu perfil, embora apenas a aplicação dos gatos randômicos esteja funcionando corretamente por enquanto.

Ao adicionar uma aplicação ao seu perfil, esta é inserida abaixo das informações pessoais como no exemplo acima. Não é possível por enquanto redimensiona-la ou mesmo move-la como no Facebook.

Todas as aplicações ativas são listadas no menu de navegação permitindo que o visitante possa visualizar uma aplicação separadamente.

As aplicações permitem criar maior interatividade entre os visitantes de um perfil, dependendo da aplicação utilizada, é possível jogar games online, brincar com elementos em flash, ouvir músicas no iLike e muito mais dependendo da customização do usuário. As aplicações sociais tendem a ser objetos virais dentro de uma rede social pois podem se espalhar com facilidade por milhares de perfis.

Esta é sem dúvida uma enorme estratégia do Google que com certeza irá abalar as estruturas do Facebook, sua abrangência e facilidade, além da parceria com +30 rede sociais(incluindo o gigante MySpace), torna o OpenSocial uma rede obrigatória para empresas e desenvolvedores.

Leia mais:  Orkut Sandbox: construa aplicativos sociais para o Orkut